Lucratividade da safra nova da soja deve ser aproveitado, antes que caia

magem créditos: Divulgação

O preço da soja teve um dia de perdas generalizadas no mercado físico brasileiro, tanto nos portos como nas praças do interior do País. A forte queda de 1,20% no Dólar norte-americano em relação ao Real foi somada à queda de 0,52% da cotação da soja na Bolsa de Chicago (CBOT). Ambos fatores se somaram e superaram a pequena elevação dos prêmios em US$ 5 cents por bushel nesta quarta-feira (03.10).

Com esse cenário, o Indicador Cepea para os portos caiu 1,83%, fazendo as perdas de agosto acumularem 1,81% e trazendo o preço da saca para R$ 93,89 – o mais baixo dos últimos 30 dias. No interior, a queda ontem foi maior, de 2,22%, totalizando as perdas acumuladas neste recém-iniciado mês de outubro para 1,81% e o preço da saca para R$ 87,39, que também não era visto há mais de 30 dias.

“Com pouca disponibilidade para vender, a demanda sobre a soja brasileira diminui. O movimento ainda é imperceptível, mas a própria situação elevada dos prêmios no Brasil mostra duas coisas. A primeira é que há pouca disponibilidade de soja brasileira ainda para a exportação”, aponta o analista da T&F Consultoria Agroeconômica, Luiz Fernando Pacheco.

A segunda constatação, de acordo com ele, é que o mercado (leia-se China) ainda está disposto a comprar o que aparecer: “Por isso os prêmios continuam elevados. Contudo, a diferença dos prêmios em Paranaguá entre a safra velha ($ 270 sobre as cotações de Chicago) com a safra nova ($ 85 sobre Chicago abril/maio) é brutal e indica o verdadeiro nível em que as negociação irão ocorrer (na verdade já estão ocorrendo) no próximo ano. Mesmo assim, a lucratividade das de safra nova ainda estão boas (e recomendamos que sejam agarradas), porque podem cair”.

Leonardo Gottems

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS