Tempo - Tutiempo.net

Segmento de máquinas ainda deve lucrar, mesmo com juros mais baixos do Pronaf

Máquinas para a produção

Mesmo com a pequena alta dos juros para o financiamento destinado à agricultura familiar para a da safra 2015/16, que ficou entre 0,5 e 5,5% ao ano, dependendo do valor financiado e da região, sendo mais baixos para a região do semiárido, na opinião de Pedro Estevão Bastos, presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas (CSMIA) da Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), as taxas são bastante razoáveis.

“Ninguém gosta de juros altos, mas nessas circunstâncias, não é um juros caro e não será causador de um retrocesso no mercado de máquinas e implementos, o produtor rural saberá responder e terá boas alternativas”. O crédito para o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) cresceu 20% em relação à safra passada – passou de R$ 24,1 bilhões para R$ 28,9 bilhões.

De acordo com o Ministério de Desenvolvimento Agrário, “mesmo com o momento de ajuste pelo qual o País passa, os valores ainda são baixos. Os juros ficaram ainda abaixo da inflação. Os ajustes foram bem aceitos pelas entidades da agricultura familiar e houve compreensão por parte deles”.

FUNÇÃO SOCIAL

No momento em que a Abimaq renova o acordo com o governo federal em torno do Programa Mais Alimentos, o presidente da CSMIA destaca a importância do plano devido aos benefícios que traz à indústria aos agricultores.

“À indústria, por estar vendendo máquinas para um mercado que praticamente não existia, ou seja, para o pequeno produtor, isto tem uma grande importância, porque estamos ampliando esse mercado, empregando mais gente e faturando mais. Isso é bom para o Brasil”, destaca.

E com relação aos agricultores, segundo Bastos o programa “tem uma função social muito grande, porque são os pequenos tendo acesso a novas tecnologias que, consequentemente, geram renda e os ajuda a evoluírem em suas atividades”.

Para a assistência técnica, o governo vai destinar R$ 347 milhões e prometeu tirar do papel a Agência Nacional de Assistência Técnica (Anater), criada há dois anos.

Pedro Estevão de Barros afirma que o Mais Alimentos está dando tão certo que a inadimplência do programa é muito pequena, em torno de 3%. “Envolve vários aspectos sociais, tanto na indústria como no campo. É um programa muito interessante”, opina.

Destacou ainda que, mesmo assim, isso não significa que, diante da atual situação econômica do país, o Mais Alimentos, considerado uma peça muito importante dentro do setor máquinas e implementos, seja responsável por um aquecimento do mercado.

“Não dá para ter um aquecimento, mas o programa já é parte integrante importante do nosso sistema de vendas. No ano safra 2014/15 demandamos entre o PSI Rural e o Moderfrota em torno de R$ 10 bilhões e no Pronaf Mais Alimentos R$ 3 bilhões, então já é um programa importante que já vem de alguns anos”, explicou.

                                                                                                                                    Sociedade Nacional de Agricultura

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS