As maiores verdades que devem ser levadas em consideração para uma gravidez

1. A idade da mulher é o maior fator de prognóstico para se conseguir uma gravidez.

Sim! A idade da mulher é o fator mais importante a ser considerado quando se decide calcular as possibilidades de gravidez de um casal. A idade afeta não somente a quantidade de óvulos, mas também a sua qualidade! Se a incidência de infertilidade feminina gira em torno de 12% antes dos 35 anos, beira os 35%, após os 40 anos.

2. A infertilidade afeta em igual proporção homens e mulheres.

Sim. Acredita-se que cerca de 40% das causas de infertilidade se devam a uma causa feminina, 40% a uma causa masculina, 10% a um fator misto (um problema na mulher associado a um problema no homem) e outros 10% a um fator desconhecido (infertilidade sem causa aparente).

3. É possível preservar a fertilidade tanto de homens como de mulheres.

Sim. Tanto homens que serão submetidos a tratamentos que possam destruir a produção de espermatozóides, ou mesmo previamente a realização da vasectomia, assim como mulheres que possam ter diminuição ou esgotamento da sua reserva ovariana, quer seja por tratamento quimioterápico, radioterápico ou cirúrgico, poderão preservar sua fertilidade por meio do congelamento de seus gametas. Nas mulheres, o aconselhável é que procurem este procedimento preferencialmente antes dos 35 anos de idade.

4. Desequilíbrios nutricionais associam-se à redução da fertilidade.

A dificuldade de se obter uma gravidez acomete os dois extremos. Tanto as mulheres com baixo índice de massa corporal (IMC)- por exemplo, as anoréticas ou as atletas de alta performance; como as de alto IMC (obesas), podem apresentar desequilíbrios hormonais que afetam o ciclo ovulatório. Em casos extremos é possível até que haja um desaparecimento da menstruação nestas mulheres.

5. Um ano de tentativas sem gravidez é indicativo da necessidade de se procurar um especialista.

Sim! Este intervalo de tempo é o clássico para que se considere o casal com dificuldades para se conseguir uma gravidez. Atualmente, recomendamos maior rapidez com os casais nos quais as mulheres apresentem mais de 35 anos de idade. Para eles, aconselhamos que busquem ajuda após 6 meses de tentativas sem sucesso.


6. Hábitos de vida podem afetar negativamente a fertilidade.

Sim, maus hábitos de vida podem afetar tanto a fertilidade masculina como a feminina. Sabe-se que o consumo de café e álcool em excesso, cigarro e drogas pode reduzir a quantidade e a qualidade dos espermatozoides e óvulos. A obesidade também está associada à uma maior incidência de infertilidade nos dois sexos.

7. Endometriose pode estar associada a infertilidade.

Sim, a endometriose pode provocar aderências pélvicas e obstrução nas trompas, causando a impossibilidade da captação do óvulo pelas trompas e, consequentemente, inviabilizando a sua fertilização pelo espermatozóide.
Em casos mais avançados, a endometriose pode afetar não só a qualidade dos óvulos, mas também a sua quantidade, comprometendo ainda mais as possibilidades de se obter uma gestação.

8. Quimioterapia e radioterapia podem interferir de maneira transitória ou definitiva a produção dos gametas masculinos e femininos.

Sim, estes tratamentos podem provocar uma lesão definitiva nas células que originabrm tanto os espermatozóides como os óvulos. Acreditamos que estes pacientes devam ser sempre informados sobre este risco.8 –

9 – É possível estimular os ovários de uma mulher com câncer e não piorar o seu prognóstico.

.

Sim, hoje dispomos de protocolos de estimulação ovariana que se mostraram seguros, rápidos e eficazes neste grupo de mulheres. O tratamento tem uma duração de aproximadamente 10-12 dias, que possivelmente não afetará o tratamento oncológico.


10. Reprodução Assistida regida por Regulamentação do Conselho Federal de Medicina.

Sim, embora não existam leis para sua regulamentação no Brasil, recentemente, o Conselho Federal de Medicina publicou a Resolução CFM 1957/ 2010 com o objetivo de pautar as Normas Éticas para a Utilização das Técnicas de Reprodução Assistida a serem seguidas pelos médicos especialistas em Reprodução Humana.

Para maiores informações e esclarecimentos, entre em contato conosco através do e-mail: contato@clinicavilara.com.

Fonte: Clinica Vilara/Luzia

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS