Tempo - Tutiempo.net

Governo justifica falta de apoio a Festival de Jazz: “Objetivo da música deve ser glorificar Deus”

Mário Frias, outro inominável

Em sua oitava edição, o Festival de Jazz do Capão teve o projeto recusado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Desde 2017, no governo Temer, o festival conta com captação de recursos por meio da Lei Rouanet.

No parecer técnico da Funarte, justifica-se a recusa como “desvio de objeto e risco à malversação do recurso público”.

No documento, afirma-se que “o objetivo e finalidade maior de toda música não deveria ser nenhum outro além da glória de Deus e a renovação da alma”.

O repertório de imagens religiosas estrutura a argumentação do parecer: “por inspiração no canto gregoriano, a Música pode ser vista como uma Arte Divina, onde as vozes em união se direcionam à Deus”, “a Arte é tão singular que pode ser associada ao Criador”.

Uma postagem de junho de 2020 na página do Facebook do festival também é apontada como motivo da recusa. A frase “festival antifascista e pela democracia”, na argumentação do parecerista, “complementou os fundamentos para emissão deste parecer técnico”.

Publicado no dia 25 de junho de 2021, o documento é assinado pelo coordenador do Programa Nacional de Apoio à Cultura da Funarte, Ronaldo Gomes.

Em suas redes sociais, o secretário de Cultura do Governo Bolsonaro, Mario Frias, afirmou que “enquanto eu for Secretário Especial da Cultura ela será resgatada desse sequestro político/ideológico”.

Realizado desde 2010 na Chapada Diamantina, no município de Palmeiras, Bahia, o festival já trouxe mais de 40 atrações musicais para o Vale do Capão. Hermeto Pascoal, Toninho Horta, Naná Vasconcelos, Ivan Lins, João Bosco e Dori Caymmi são alguns dos músicos que participaram em edições anteriores.

Reuters

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS