Insatisfações e Estranhezas: por novos afetos e emoções

Novas emoções e afetos

“Não estamos alegres, É certo, Mas também por que razão haveríamos de ficar tristes?”

São com estes versos que Vladimir Maiakóvski inicia um de seus mais importantes e reconhecidos poemas. O correr do tempo me fez refletir um tanto sobre eles. Sim, não estamos alegres, mas tristes. Afinal, por qual razão haveríamos de estar felizes?

Há certa estranheza no ar. Aqui e em todo lugar do planeta. Brasileiros são apenas “privilegiados” com a maldição de estarmos vivendo um dos períodos políticos mais tétricos de sua História.

Mas outras regiões do continente Latino-Americano e de todo o Sul Global, principalmente, vivem situações catastróficas.

Um vírus mortal, clausura, desigualdade social galopante, flexibilizações no mundo do trabalho, quando não desemprego e migrações em massa. Uma tragédia anunciada pelos senhores do Capital e de seu neoliberalismo triunfante.

Contudo, há uma estranheza mais subjetiva no ar. Uma estranheza no olhar do outro. Sentimentos e emoções que estão carregados de uma enorme tristeza e solidão.

Ao mesmo tempo em que estamos todos enredados numa teia virtual de infinita magnitude, sem contar a impossibilidade de quarentenas rígidas ou clausuras seguidas à risca, próximos uns dos outros, nos sentimos estranhos e vazios na multidão crescente, carentes de um sentido maior.

Aqui não me refiro ao deus transcendental dos cristãos, muçulmanos, judeus ou toda a sorte de religiões que a cada dia nascem e morrem como todos.

Há uma estranheza perante o outro (o diferente, o estrangeiro, etc.) como há uma diferença, insatisfação e confusa estranheza frente aos parentescos, aos mais íntimos, aos que amamos ou amávamos.

Os infortúnios da vida e do ano que se passou – e que se arrasta, como bem escrevi em minha última coluna “Perda: breve cônica” – parecem ter feito terra arrasada na vida subjetiva, na saúde mental e na construção de expectativas de milhões de pessoas, quiçá de todo o mundo.

Aqui, retiro do “mundo das dificuldades abrangentes” milionários e bilionários que viram seus lucros aumentarem e seu cotidiano opulento permanecer inalterado. Falo do restante.

Luís Felipe Machado de Genaro

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS