Vale-cultura não será gasto “com outras coisas”, diz Marta Suplicy

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Em cerimônia de posse realizada hoje (31) dos novos integrantes da Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (Cnic), a ministra da Cultura, Marta Suplicy, rebateu as críticas de que o trabalhador vai usar o Vale-Cultura “para gastar o dinheiro com outras coisas”.

No evento, a ministra pediu aos representantes dos diversos segmentos da área cultural que sejam “generosos com os grupos que têm menos recursos”, para que eles tenham a oportunidade de levar sua arte para o público.

A expectativa do ministério é que aproximadamente 17 milhões de trabalhadores recebam o benefício, elevando o consumo cultural em até R$ 7,2 bilhões por ano.

Terá direito ao vale-cultura o trabalhador com carteira assinada que ganha até cinco salários mínimos. Ele vai receber um cartão eletrônico com crédito de R$ 50 para gastar em serviços e produtos culturais, como shows, cinemas, exposições, teatro e comprar livros e revistas.

No evento, a ministra pediu aos representantes dos diversos segmentos da área cultural que sejam “generosos com os grupos que têm menos recursos”, para que eles tenham a oportunidade de levar sua arte para o público.

Sobre os recursos do Fundo Nacional de Cultura que vão ser repassados por meio do Plano Nacional de Cultura, Marta Suplicy explicou que irão diretamente para as cidades que aderirem ao plano. Para isso, é preciso que as cidades tenham planos de gestão criando conselho local de organização.

 

Fonte: Redação

OUTRAS NOTÍCIAS