Bolsonaro: rato pastorando o queijo/ Sérgio Jones

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Devido as nem sempre acertadas escolhas de seus representantes políticos, feitas pelo povo brasileiro, diante das urnas. Tal comportamento tem gerado sérios transtornos para a população, em especial a grande parte que ocupa estratificação social mais baixa da sociedade.

Evidência que se tornou caso emblemático foi a ascensão da aberração do presidente Jair Bolsonaro. O erro está custando caro ao povo independentemente de suas posições ideológicas ou até mesmo religiosas.

A deformidade do governo brasileiro se encontra sob a batuta do presidente Jair Bolsonaro, o mesmo reconheceu nesta quinta-feira (26) que o atual valor do salário mínimo pago aos trabalhadores brasileiros “está baixo”, mas afirmou que não existe a possibilidade de aumentar a remuneração. “Não tem de onde tirar dinheiro”, disse.

Enquanto ele vomita um monte de asneiras, nada faz para reduzir recursos e abusos econômicos cometidos contra o erário. Fatos corriqueiros que ocorrem diuturnamente e são denunciados diariamente.Todos eles, em grande parte cometidos pelos três poderes.

Tem travado e até mesmo dificultado a luta no combate direto à corrupção da qual ele e seus familiares se encontram atolados até o pescoço. Não taxa as grandes fortunas, entre outras medidas saneadoras no trato da coisa pública.

Importante observar que o aumento do salário mínimo reflete fortemente nos ganhos de aposentados e pensionistas. No pessoal do Benefício de Prestação Continuada (BPC). O que o governo considera como um gasto elevado, é resultante de práticas econômicas deletérias causadas pela falta de administração de seu desgoverno que tem resultado em elevados custos à sociedade como um todo.

Se o país fosse minimamente sério e comprometido com os reais interesses de seu povo, a realidade seria bem outra. De acordo com avaliação feita pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o salário mínimo dos trabalhadores brasileiros deveria figurar na casa dos R$ 5.005,91 em outubro.

Enquanto isso, para 2021, a proposta do governo prevê um aumento de 4,02% (+R$ 42,84) no salário mínimo dos brasileiros, que deverá aumentar dos atuais R$ 1.045 para R$ 1.087,84. O reajuste leva em conta apenas o repasse do (Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC)), inflação das famílias com renda de até cinco salários mínimos, que deverá encerrar 2020 em 4,1%, e não deve resultar em ganho real aos profissionais.

Contrariando a máxima de que depois de uma notícia ruim, sempre vem uma boa, Bolsonaro defendeu a flexibilização de normas trabalhistas. O resultado de toda essa patética situação é reflexo da escolha feita por parte do brasileiro. Quando resolveu colocar no governo, o rato para pastorar o queijo.

Sérgio Jones, jornalista (sergiojones@live.com)

OUTRAS NOTÍCIAS