Tempo - Tutiempo.net

Documento do governo dos EUA cita encontro de Bolsonaro com neta de nazistas

Documento governo EUA cita Bolsonaro neta nazistas Beatrix von Storch e o marido em encontro com Bolsonaro no Palácio do Planalto

Um informe produzido pelo Departamento de Estado norte-americano sobre a liberdade religiosa no mundo cita o encontro entre o presidente Jair Bolsonaro e uma representante da extrema-direita alemã.

O documento, elaborado todos os anos por Washington, examina a questão religiosa no mundo e apresenta um detalhado informe sobre a situação de cada país.

No capítulo dedicado ao Brasil, o governo de Joe Biden listou uma série de ataques contra minorias religiosas no país e, para a surpresa de diplomatas brasileiros, não deixou de citar o encontro de Bolsonaro que causou estranheza em diferentes capitais pelo mundo.

“Em julho (de 2021), o presidente Jair Bolsonaro encontrou-se com Beatrix von Storch, deputada e legisladora alemã do Partido Alternativa para a Alemanha (AfD)”, informa o documento.

“Representantes do CONIB (Confederação Israelita do Brasil) criticaram a acolhida de Storch, dizendo que a AfD era um partido que minimizou as atrocidades nazistas e o Holocausto”, constatou o Departamento de Estado norte-americano.

“De acordo com relatos da mídia, porém, a visita oficial de Storch não incluiu nenhuma discussão sobre o nazismo ou o Holocausto”, completa.

O documento está sendo publicado uma semana antes da ida de Bolsonaro para a Cúpula das Américas, em Los Angeles.

Biden e Bolsonaro devem ter, na ocasião, seu primeiro encontro. A referência aparece em uma lista com casos de ataques contra minorias religiosas no país.

Considerado como tóxico, o partido Alternativa pela Alemanha (Afd) passou a ser monitorado em seu país de origem sob a suspeita de tentar desestabilizar a democracia, além de ser recebido apenas por regimes controversos, ditaduras e violadores de direitos humanos.

Mesmo que tenha sido fora da agenda e divulgado apenas depois do final da viagem, a foto foi recebida no meio diplomático alemão com consternação e decepção em relação ao Brasil.

Diversos jornais das principais cidades do país europeu também noticiaram o encontro, num tom de incredulidade.

A coluna apurou que o Itamaraty não foi consultado sobre a visita e que o encontro ocorreu sem o conhecimento da diplomacia.

O partido que Bolsonaro recebeu é ainda o primeiro a ser colocado sob vigilância desde 1945 pelo serviço de inteligência doméstica da Alemanha.

O motivo: suspeita de tentativa de minar a Constituição democrática da Alemanha.

O AfD conseguiu entrar no Bundestag em 2017, buscando votos da parcela que tinha feito oposição à decisão da chanceler Angela Merkel de receber mais de um milhão de migrantes.

Com o monitoramento, o sistema de inteligência poderá escutar chamadas e conversas envolvendo membros da AfD e examinar o financiamento do partido.

O Conselho Central dos Judeus na Alemanha saudou a decisão.

“As políticas destrutivas da AfD minam nossas instituições democráticas e desacreditam a democracia entre os cidadãos”, escreveu o grupo.

Beatrix von Storch, a deputada e vice-líder do partido que esteve com Bolsonaro, tem um passado complicado.

De um lado, ela é neta do ministro de Finanças de Adolf Hitler por 12 anos e condenado pelo Tribunal de Nuremberg por crimes de guerra.

Seu outro avô não era menos conhecido da cúpula nazista e fazia parte da SA, uma milícia paramilitar.

No documento do Departamento de Estado norte-americano, outro citado é o ex-deputado Roberto Jefferson. No Instagram, o bolsonarista associou a comunidade judaica ao infanticídio.

“Baal, deidade satânica, cananistas e judeus sacrificavam crianças para receber sua simpatia. Hoje, a história se repete”, escreveu o político.

Os americanos destacaram, uma vez mais, como a CONIB se pronunciou, apontando que o ato de Jefferson era um crime de racismo.

De acordo com o informe do Departamento de Estado, poucos meses depois, o ex-deputado foi indiciado por “pertencer uma organização criminosa que se opunha à democracia”.

Religiões afro-brasileiras
O documento do governo Biden não deixa de destacar outras tendências preocupantes sobre a liberdade religiosa no Brasil.

“De acordo com reportagens da imprensa, evidências anedóticas e outras fontes, o respeito social pelos praticantes de religiões minoritárias – especialmente as religiões afro-brasileiras – continuou fraco, e os ataques aos terreiros continuaram”, disse.

“De acordo com a Secretaria Nacional de Direitos Humanos do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, durante o ano, a Linha Direta Nacional de Direitos Humanos recebeu 581 chamadas relatando intolerância religiosa, em comparação com 566 relatórios em 2020”, afirmou.

Os americanos ainda descartam como o governo federal criou o Registro Nacional de Organizações Religiosas, um banco de dados voluntário de líderes religiosos e entidades elegíveis para receber fundos federais e para realizar ações em parceria com o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Mas o texto cita o professor de ciências sociais e líder do Grupo de Estudos Protestantismo e Pentecostalismo da Pontifícia Universidade Católica, Edin Sued Abumanssur, que questiona a iniciativa.

“O programa duplicou bases de dados pré-existentes de organizações religiosas, e sugeriu que a criação da nova base de dados fosse uma tentativa de obter o apoio das igrejas na preparação para as eleições presidenciais de 2022”, completou.

RPP

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS