Tempo - Tutiempo.net

Especialistas explicam que nunca se deve lavar o frango antes de cozinhar

Não lave o frango

Muitas pessoas acham que devem lavar o frango antes de cozinhá-lo. Trata-se de um erro comum e que aumenta o risco de intoxicação alimentar.

A Agência de Normas Alimentares do Reino Unido (FSA, na sigla em inglês) advertiu há muito tempo que lavar o frango antes de cozinhar aumenta o risco de espalhar a bactéria Campylobacter nas mãos, superfícies, roupas e utensílios de cozinha pelo respingo de gotas de água.

No entanto, muitas pessoas continuam a cometer o mesmo erro.

Quando se lava o frango, a água acaba espirrando ao redor. Dessa forma, as bactérias podem acabar entrando em nosso corpo através, por exemplo, de uma faca que esteja perto da pia.

Ainda assim, segundo a FSA, 44% das pessoas no Reino Unido lavam o frango antes de cozinhar. Os motivos mais citados para fazê-lo são para remover sujeira ou germes, ou simplesmente por hábito.

A enterite (inflamação da mucosa do intestino delgado) por Campylobacter é uma das causas mais comuns de intoxicação alimentar.

Geralmente, a infecção ocorre devido ao consumo de aves mal cozidas, vegetais frescos ou leite não pasteurizado.

Essa bactéria se espalha pela ingestão de alimentos infectados e pode causar diarreia, dor abdominal, febre, náusea e vômito.

Sequelas de infecção

A maioria das pessoas fica doente apenas por alguns dias, mas a infecção pode causar problemas de saúde a longo prazo.

A síndrome do intestino irritável (SII ou IBS, em inglês) e a síndrome de Guillain-Barré, que ataca o sistema nervoso periférico, são algumas das condições que as pessoas que contraíram a bactéria podem desenvolver posteriormente.

A contaminação por Campylobacter também pode levar à morte. As pessoas em maior risco são crianças e adultos mais velhos.

Normalmente, o tratamento para uma infecção por essa bactéria consiste em beber bastante água e ingerir pequenas porções de comida ao longo do dia, em vez de grandes quantidades no café da manhã, almoço e jantar, com alimentos ricos em potássio.

No entanto, cada caso pode variar, por isso é sempre recomendável procurar um médico.

Luzia Marcelo com infofrmações da RPP

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS