Tempo - Tutiempo.net

Os bastidores da briga dos evangélicos pelo comando da bancada

Deputado e pastor Abílio Santana ataca Mlafaia

O clima esquentou de vez entre os integrantes da Frente Parlamentar Evangélica, uma das mais numerosas e poderosas do Congresso Nacional, sobretudo no governo de Jair Bolsonaro (PL), que tem na comunidade uma de suas principais bases de apoio.

O motivo é a sucessão no comando da Frente, hoje presidida pelo deputado Cezinha de Madureira (PSD-SP), em pleno ano eleitoral.

Nos últimos dias, documentos, ataques e vídeos circularam pelo WhatsApp de parlamentares e pastores.

O pano de fundo é uma disputa entre setores da Assembleia de Deus: de um lado, Ministério Madureira, do bispo Samuel Ferreira, e de outro, Vitória em Cristo, do pastor Silas Malafaia.

A última eleição para o comando da Frente foi em dezembro de 2020, ocasião em que se apresentaram como candidatos os deputados Cezinha de Madureira, ligado a Samuel Ferreira, e Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), próximo de Malafaia.

Em assembleia geral, registrada em uma ata que virou a razão da discórdia – e cuja reprodução está circulando entre os parlamentares evangélicos –, “houve um entendimento entre os candidatos Cezinha e Sóstenes para que a eleição se desse por aclamação”.

Cezinha foi então empossado presidente da Frente em 2021 e, segundo os aliados de Sóstenes, o próprio Sóstenes assumiria o posto em 2022

Neste mês, às vésperas do esperado revezamento, circulou um vídeo do deputado Abílio Santana (PL-BA) e começou o rebuliço. Na gravação, o parlamentar diz que, se existe alguma ata atestando o tal acordo, “é falsa”.

“Eu quero que alguém me apresente a minha assinatura”, diz Santana, exaltado, chamando o pastor Silas Malafaia de “Cínico Malafeia”.

O deputado Sóstenes rebateu. “A ata foi registrada em cartório com a lista dos presentes. O deputado Abílio Santana não foi na assembleia geral, ele não estava presente, mas tivemos lá 35 parlamentares que assinaram a ata”, afirmou Sóstenes em outro vídeo.

Ele ainda acrescenta que está certo de que, em fevereiro próximo, o colega Cezinha de Madureira “estará passando a presidência da Frente Parlamentar”. A ata com as assinaturas também começou a circular.

Pelo jeito, os próximos dias serão decisivos para o destino dos evangélicos no Congresso, e a disputa será ferrenha.

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS