Tempo - Tutiempo.net

Redação Milton Ribeiro confirma Bolsonaro como mandante do esquema de corrupção do MEC

Bolsonaro e o pastor ex-ministro Milton Ribeiro

Depois que surgiram as denúncias sobre um esquema de pastores que intermediavam obras do Ministério da Educação em troca de propina, o presidente Jair Bolsonaro disse que botava a cara no fogo pelo então ministro Milton Ribeiro.

O escândalo derrubou Ribeiro, que ontem foi depor à Polícia Federal. No depoimento, o ex-ministro não botou a cara no fogo por Bolsonaro: confirmou que foi o presidente quem o orientou a receber os dois religiosos.

Ribeiro não fez mais do que reiterar à PF o que já dissera aos próprios pastores no áudio comprometedor divulgado pela Folha de S. Paulo.

“O presidente Jair Bolsonaro realmente pediu para que o pastor Gilmar fosse recebido“, disse ele ao delegado. Referia-se a Gilmar Santos, pastor da Assembleia de Deus que não ocupa nenhum cargo público e agia como intermediário do MEC junto a prefeitos.

Segundo denúncias, ele fazia isso em troca de propina, juntamente com Arilton Moura, outro pastor.

No depoimento, o ex-ministro fez a ressalva de que “isso não quer dizer que o mesmo ( Gilmar) gozasse de tratamento diferenciado ou privilegiado na gestão do FNDE [Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação] ou MEC, esclarecendo que, como ministro, recebeu inúmeras autoridades, pois ocupava cargo político“.

Nesse ponto, o ex-chefão do MEC contradiz o áudio e os fatos. Ele diz na gravação:

“Porque a minha prioridade é atender primeiro os municípios que mais precisam e, em segundo, atender a todos os que são amigos do pastor Gilmar“.

Não há dúvida de que esse é um tratamento “diferenciado ou privilegiado”, ao contrário do que Ribeiro disse à PF.

E esse privilégio não foi apenas uma bravata para agradar aliados, como alegou o ex-ministro.

Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo mostrou que os dois pastores intermediaram encontros de prefeitos no ministério que tiveram como consequência pagamentos e empenhos de R$ 9,7 milhões apenas alguns dias ou semanas depois.

Como denunciaram vários prefeitos, essa intermediação era feita em troca de propinas de R$ 15 mil a R$ 30 mil em dinheiro ou ouro e também de até R$ 70 mil em compras de bíblias.

Uma dessas edições do Livro Sagrado trazia fotos dos pastores Gilmar e Arilton e também do próprio Milton Ribeiro.

Pela lógica, agora seria a vez de Bolsonaro explicar à PF por qual motivo orientou um subordinado seu, o ministro da Educação, a receber dois religiosos que não têm cargo na administração pública por meio de um “pedido especial”, como diz Ribeiro no áudio.

Sem essa interferência do presidente, o esquema de corrupção no MEC jamais teria existido.

O problema é que no Brasil a lógica não tem andado com muito prestígio.

O mais provável é que o procurador-geral da República, Augusto Aras, se mostre mais uma vez aliado do governante que deveria fiscalizar e livre Bolsonaro do ônus de dar explicações.

Chico Alves

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS