Tempo - Tutiempo.net

‘Tráfico de influência’, diz Bolsonaro ao justificar suposta corrupção

Manipuladores da verdade

Durante live semanal, o presidente Jair Bolsonaro (PL) defendeu o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro , que foi preso pela Polícia Federal sob suspeita de corrupção e tráfico de influência quando comandada a pasta.

Ao tentar justificar o possível caso de corrupção em seu governo, Bolsonaro disse que exagerou ao dizer que “colocaria a cara no fogo” por Ribeiro, mas que colocaria a mão no fogo.

Segundo Bolsonaro, “Você pode ver, não foi corrupção, da forma que estava acostumado a ver em governos anteriores, o cara fez uma obra superfaturada, comprou material e não recebeu, superfaturou. Nada disso. Foi de história de fazer tráfico de influência”.

Ontem (23), o desembargador federal Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), aceitou habeas corpus e mandou libertar Milton Ribeiro.

Bolsonaro ainda defendeu que Milton não deveria ter sido preso e que foi “maldade” com o ex-chefe da Educação.

“Então prenderam o Milton, prenderam os demais pastores. Bem, hoje o desembargador do TRF de Brasília concedeu a liminar e o Milton aí vai responder em liberdade. Nem devia ter sido preso. E olha a maldade: tem a prisão preventiva e a temporária. Deu logo a preventiva, para ficar preso ali até a campanha, quando acabar as eleições daí ia ser posto em liberdade. Essa seria ideia se nós não tivéssemos pessoas isentas, que eu entendo ser a grande maioria no poder judiciário”, disse Bolsonaro.

Ontem, Bolsonaro mais uma vez tentava tirar o foco da prisão do ex-ministro ao levantar assuntos polêmicos.

Em conversa com apoiadores, Bolsonaro disse que quem apoia o procedimento de aborto para a menina de 11 anos, que engravidou após ser vítima de um estupro, quer impor uma ditadura no Brasil.

O direito à interrupção da gestação da criança foi negado por uma juíza de Santa Catarina.

“Quem quer impor uma ditadura no Brasil não sou eu. É quem não quer a liberdade de expressão, é quem vai controlar a mídia, é quem diz que vai valorizar o MST, é quem diz que esse caso da menina grávida de sete meses tem que abortar”,  disse o mandatário.

Um dos suspeitos de corrupção no caso, o pastor Gilmar Santos usou as suas redes sociais para se manifestar sobre a prisão e disse que estava em “reflexão” e com o “coração quebrantado” .

“Nosso País está tomado pelo ódio e fome de poder, com interesses políticos manipulando a verdade e a transparência dos fatos. Como sabemos, existe uma luta incansável para enfraquecer o governo eleito”, diz Santos.

(IG)

Dissimulados, mentirosos, vagabundos. (cljornal)

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS