Depois dos juros e da luz, é a vez dos alimentos

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Dando sequência ao plano de medidas que visa controlar a inflação, o governo, como havia anunciado recentemente, tomou a decisão de desonerar os produtos da cesta básica. Sem impostos, os preços cairiam, em média, 6,5%. O impacto anual seria de R$ 3,6 bilhões na arrecadação. O objetivo da equipe econômica é não permitir que o IPCA, índice que mede o teto da inflação, não ultrapasse 6,5% ao ano. Na avaliação do governo, o custo de se estourar essa meta seria muito grande, afetando sua credibilidade.acontece.

A decisão de tirar os impostos da cesta básica  depois de o governo ter trabalhado em função de controlar a taxa básica de juros (Selic), que se manteve em 7,5% na última reunião do Copom, nesta semana – o menor patamar da história – e de ter reduzido a tarifa da energia elétrica em cerca de 20% para a população desde o início desse ano.

“A decisão já está tomada, mas o momento em que isso será feito depende de uma análise sobre como está a inflação”, disse uma fonte do governo ao jornal Valor Econômico. Agora, o que deve servir de guia para a decisão do governo são dados mais consistentes sobre o comportamento da inflação e o desempenho da economia, diz a reportagem.

Apesar de não garantir que a desoneração seja repassada para o consumidor final, o governo espera que essa porcentagem seja suficiente para que o varejo recomponha alguma margem e reduz o preço na venda. Em 12 meses, os preços da cesta básica subiram de 14% a 32%, bem acima da média de preços dos alimentos, de 12,29%. A carne e o açúcar são os dois produtos que sofrerão mais impactos.

Fonte: Brasil 247

OUTRAS NOTÍCIAS