Tempo - Tutiempo.net

Plano de vacinação completa três meses e está muito aquém do que o Brasil necessita

VACINAÇÃO ABAIXO DO ESPERADO

O Brasil está completando três meses do lançamento do plano de vacinação contra a covid-19. Porém são números vergonhosos, sobretudo em relação à nossa tradição de vacinação.

Para além disso tudo, são muitas as indefinições por parte do Ministério da Saúde, que é quem coordena o plano nacional de imunização.

Por conta disso entramos no Tribunal de Contas da União (TCU) com mais um conjunto de ações no sentido de acompanhamento e fiscalização sobre o plano de vacinação brasileira.

Uma das ações fundamentais é saber porque o Ministério da Saúde interrompeu a divulgação de cronogramas de chegadas e da distribuição de vacinas.

Isso é muito grave porque a divulgação dessas informações permite que os estados e municípios possam se organizar, do ponto e vista da logística da distribuição da vacina.

quando o ministério deixa de ser transparente e deixa de divulgar esse cronograma de entrega de vacinas, os municípios e as coordenações estaduais ficam sem saber como programar, por exemplo, a segunda dose das pessoas que já podem recebê-la.

Quem faz a vacina chegar até o interior, até às áreas rurais, até às áreas indígenas e quilombolas, são exatamente os estados e municípios.

Ou então ficam sem saber como programar a entrada e a divulgação de novas faixas etárias no plano de vacinação.

Sem essa ação federal, os estados e municípios ficam sem qualquer informação sobre o seu planejamento logístico necessário, porque o Ministério da Saúde faz a vacina chegar até a capital.

Quem faz a vacina chegar até o interior, até às áreas rurais, até às áreas indígenas e quilombolas, são exatamente os estados e municípios.

Porque o ministério até agora não fez uma campanha de orientação e de divulgação e de informação técnica sobre as vacinas da covid-19?

O Brasil está vivendo uma situação em que muitas pessoas que tomaram a primeira dose da vacina ainda não tomaram a segunda dose.

E não existe nenhuma campanha do ministério informando, a depender de qual vacina, depois de quantas semanas deve ser tomada a segunda dose. Não existe nenhuma campanha do ministério informando da importância de se tomar a segunda dose.

Não há nenhuma orientação do ministério visando o fortalecimento das equipes de Saúde da Família para fazer a busca ativa de pessoas para a vacinação. Absolutamente nada tem sido feito pelo ministério.

É como se o Ministério da Saúde não tivesse responsabilidade nenhuma na coordenação do plano nacional de vacinação.

Alexandre Padilha

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS