Preso, Bruno diz que sonha em defender Seleção Brasileira

Condenado pela morte da ex-namorada Eliza Samudio, o goleiro Bruno disse em entrevista à Rede Record que sabia do ocorrido, mas não que não mandou matar a modelo. Ele fez um apelo e pediu que devolvessem os restos mortais da moça, pois ele ” gostaria de dar um enterro digno” à vitíma.

 

“Não está nas minhas mãos, eu não tenho esse conhecimento [do paradeiro onde se encontra o corpo de Eliza]”, disse. O ex-flamenguista se diz arrependido por não ter tomado nenhuma atitude para que o fato não acontecesse.

 

“O meu maior erro é que eu poderia ter feito alguma coisa e não fiz. Se eu tivesse naquele momento, lá no Rio de Janeiro, após a agressão do menor à Eliza, se eu tivesse agido ali e impedido que todos viajássemos, eu poderia ter evitado tudo isto. Eu tinha que ter intervindo. Achei que jamais ia chegar a este ponto. Eu não mandei matar a Eliza. Eu sabia do ocorrido, mas eu não mandei matar a Eliza”, declarou.

 

Por fim, Bruno projeta sua vida fora da cadeia e diz que sonha em defender a Seleção Brasileira. “Eu não sei quanto tempo mais eu tenho que ficar aqui, mas enquanto houver sangue correndo nas minhas veias, vou lutar por isso. Quando me perguntam se eu ainda sonho com a Seleção Brasileira, eu digo: Por que não sonhar? Eu vou dar a volta por cima, acredito nisso”, concluiu.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Redação/ Bahia Notícias

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS