Oeste da Bahia terá indústrias têxteis implantadas por portugueses; protocolo de intenções já foi assinado

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Um protocolo de intenções foi assinado na segunda-feira (23) pelo secretário estadual da Agricultura, Eduardo Salles, em Lisboa, no Congresso Nacional de Portugal, com a Associação Comercial e Industrial de Barcelos (Acib) para implantação na Bahia de indústrias da zona geográfica de Barcelos. A Acib representa 65 grandes indústrias portuguesas.

 

O secretário afirmou que a implantação dessas indústrias se concentrará no setor têxtil, podendo ser complementada com outros segmentos, como os de calçados e de acessórios. O objetivo é verticalizar a oferta de produtos têxteis e de moda, desde a produção de fios até a confecção de roupas. “A Bahia é o segundo maior produtor nacional de algodão de alta qualidade, com fios tão bons quanto os produzidos no Egito”, salientou.

 

As indústrias têxteis portuguesas trabalham desde a fiação até a confecção, mas muitas empresas estão paralisando as atividades de fiação devido à crise internacional, que estagnou o mercado europeu. Segundo o superintendente de atração de investimentos da Seagri, Jairo Vaz, o termo assinado concretiza iniciativas que vêm sendo desenvolvidas há mais de um ano, quando uma comitiva da secretaria esteve em Portugal e apresentou aos empresários as oportunidades e vantagens de se investir na Bahia.

 

Saloio vai fabricar em Alagoinhas queijos especiais

 

Outro resultado prático da missão da Seagri a Portugal foi a assinatura do protocolo de intenções entre o governo da Bahia, via secretaria, o Laticínio Marianna e a Queijo Saloio Indústria de Laticínios para implantar na cidade de Alagoinhas uma indústria de processamento de leite de vaca, cabra e ovelha para produzir queijos especiais.

 

A Saloio é a terceira maior indústria de Portugal e a maior em especialidades de queijos, e também a maior em queijos de cabra. No mercado desde 1968, ela produz e vende queijo fresco, requeijão e especialmente queijo curado, transformando aproximadamente 150 mil litros de leite por dia.

 

O secretário explicou que o protocolo assinado vai permitir a criação de joint venture entre a empresa baiana Laticínio Marianna e a portuguesa Saiolo, gerando empregos e possibilitando a fabricação de produtos inéditos, e ao mesmo tempo estruturando a atividade da ovino-caprinocultura no estado.

 

“A Bahia tem o maior rebanho de cabras e o segundo maior de ovelhas do país, mas se não temos quem compre leite a preços viáveis, não desenvolvemos a atividade. Queijos finos com alto valor agregado incentivarão a cadeia como um todo”, ressaltou Salles.

Fonte: Redação/ Agecom

OUTRAS NOTÍCIAS