Rui Costa mostra qual é a política dos aliados do centrão dentro do PT

Governador Rui Costa Foto: Varela Notícias

As recentes declarações do governador da Bahia, Rui Costa (PT), revelaram qual é a política da ala direita dentro do PT. Com a crise política do regime golpista e o aumento da polarização, a política de determinados grupos políticos estão sendo esclarecidas.

Rui Costa, na tarde de segunda-feira (20), declarou ser favorável à cobrança de mensalidades nas universidades. Segundo ele, apenas as famílias “mais abastecidas” deveriam pagar pelas mensalidades.

Ele declarou: “Uma família que pagou educação privada a vida inteira não tem condições de contribuir com a universidade? Qual o problema disso?”

O problema disso, respondendo à pergunta do governador, é justamente que esse tipo de medida é um instrumento forte para a direita começar a cobrar mensalidades nas universidades. É evidente que uma medida com esta, extremamente impopular, teria de fazer uso destes artifícios para levar adiante um plano generalizado contra a população.

Primeiro de tudo, é importante ressaltar que a educação é um direito social. Todo mundo deveria ter o direito de estudar, de forma gratuita. A posição de Rui Costa se coloca contra este conceito sobre a educação.

Ao contrário do que acham os oportunistas da esquerda, para um direito ser defendido como algo intocável, é preciso que ele seja defendido para toda a população. Na prática, a política defendida por Rui Costa defende que toda a população pague pelas universidades.

Trata-se de uma profunda demagogia para atacar todo o povo. Se Rui Costa fosse favorável à que as universidades fossem pagas pelos ricos, não defenderia a instauração de mensalidades, mas exigiria a taxação das grandes riquezas e dos artigos de luxo; exigiria o não pagamento da dívida pública, que é uma forma de parasitismo dos banqueiros sobre o Estado brasileiro e assim por diante – afetaria os capitalistas e não a população.

Mas não… o líder da ala direita do PT defendeu a instauração de mensalidades em universidades públicas, gerando revolta inclusive dentro do próprio partido.

Em nota oficial, a Juventude do PT (JPT) divulgou no Facebook uma nota de repúdio às declarações de Rui Costa.

Com o título, “RUI COSTA, NÓS DEFENDEMOS UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA, GRATUITA E PARA TODOS!”, a JPT declarou que o governador do maior estado do nordeste “ignora as posições históricas do seu partido”, e que: “defender o pagamento de mensalidade na Universidade Pública, para quem quer que seja, é abrir as portas para a supressão do direito básico à educação que deveria ter todo o brasileiro e brasileira”.

Afirmaram que Rui Costa, com essa política, compara-se com Paulo Guedes e Weintraub, ministros de Bolsonaro, e que o governador precisa “escolher o seu lado”.

Além disso, tendências políticas dentro do PT se colocaram contra Rui Costa. Valter Pomar, respondeu à declaração de Rui Costa, que afirmou que a cobrança de mensalidades não deveria ser tabu, da seguinte maneira:

“E, como diria o Rui, não vejo “tabu” em perder um governador, se este for o preço a pagar para impedir a desmoralização e a destruição do Partido”.

Também, diversas denúncias dentro da base petista na Bahia está denunciando a política de ataques do governador do estado contra os funcionários públicos das universidades. Rui Costa fez declarações contra a greve das universidades estaduais, inclusive chamando-a de “partidarizada”, isto é, com um argumento de cunho bolsonarista.

A Associação de Docentes da Universidade Estadual da Bahia (Aduneb) declaram que a posição do governo serviu de “combustível em fogueira que já era forte”, e aprovaram em Assembleia a continuação das paralisações. A política direitista do governador está gerando revolta em sua base eleitoral, os militantes de esquerda e os sindicatos.

Defesa do regime Bolsonarista

O governador da Bahia, que já havia se pronunciado em defesa das políticas reacionárias do ministro de Bolsonaro, Sérgio Moro, defendendo o pacote anti-crimes que libera os policiais para assassinar a população pobre; defendeu os policiais que realizaram a chacina na Cabula; e articulou uma campanha contra a candidatura de Lula nas eleições de 2018; agora, decidiu defender o governo Bolsonaro, contra a vontade de todo o povo brasileiro.

Em entrevista, sobre um provável impeachment de Bolsonaro o governador Rui Costa declarou: “Eu não quero opinar sobre isso. Ele foi um presidente eleito. É preciso que as coisas comecem a funcionar no nosso país. Não vou ser eu a puxar a fila do fazer o que fizeram com a presidente Dilma (que sofreu impeachment em 2016). Não acredito nisto. Agora, o Brasil precisa ter um rumo”.

Ou seja, declarou-se contrário à derrubada do governo fraudulento. Não se trata de que ele é contra o impeachment porque seria uma saída institucional para manter o regime golpista funcionando. Pois, caso contrário, ele teria defendido o Fora Bolsonaro e a realização de novas eleições.

Costa se colocou contra a saída do governo, porque “ele foi um presidente eleito”. Quer dizer, Rui Costa ignora totalmente a fraude eleitoral. O fato de que Bolsonaro foi colocado no poder por conta de manobras fraudulentas, que impediram Lula (candidato de seu próprio partido) de participar das eleições, anularam o direito de votar de mais de 3 milhões de pessoas, e reprimiram brutalmente os militantes de esquerda, censurando faixas, propagandas políticas ou agredindo-o nas ruas.

Para Rui Costa nada isso aconteceu, e Bolsonaro não pode ser derrubado pelo povo pois “ele foi um presidente eleito”. Um absurdo… Ao contrário do que diz o governador baiano, Bolsonaro é produto de uma fraude. E por mais que tivesse sido eleito de maneira tradicional, a vontade popular é superior aos resultados artificiais das eleições burguesas. Bolsonaro supostamente teria sido escolhido pelo povo para governar o país; se o povo não quer mais, ele deve sair.

A afirmação de Rui Costa revela também que o governador quer que “as coisas comecem a funcionar no nosso país”, ou seja, ao invés de combater Bolsonaro, é melhor deixá-lo trabalhar atacando a população ou até se aliar com ele em determinadas propostas, como no caso do pacote anti-crime.

Sem falar no fato de que, assim como Boulos, Costa afirma que a derrubada de Bolsonaro pelo povo seria equivalente ao golpe de Estado realizado contra o governo do PT. Um argumento fajuto, pois Dilma foi deposta com base em uma ofensiva do imperialismo com a extrema-direita; já Bolsonaro seria resultado de uma intensa mobilização dos trabalhadores e de suas organizações. Para Rui Costa, os coxinhas fascistas e os trabalhadores são equivalentes.

Ala direita do PT procura um equilíbrio para o regime golpista em crise

As declarações do governador da Bahia, junto às reuniões de Mercadante, Haddad e Suplicy com políticos da direita golpista, demonstra que existe todo um setor da esquerda pequeno-burguesa que se opõe à luta contra o golpe.

Pelo contrário, o repúdio à derrubada do governo Bolsonaro, a busca de alternativas institucionais com a burguesia e as alianças em determinados projetos da extrema-direita mostra que estão procurando sustentar o regime vigente.

Esses oportunistas da esquerda são profissionais em tentar resgatar as formas e figuras dos regimes políticos falidos. Uma tentativa quase impossível, diante da deterioração política que ocorre no Brasil.

A verdade é que o direcionamento que a esquerda pequeno-burguesa coloca apenas facilitará a vitória dos fascistas contra a população. Sem a derrota do regime golpista, a burguesia terá a possibilidade de estabilizar o regime, com Bolsonaro ou sem ele, e instaurar de vez uma verdadeira ditadura fascista no país.

A política de conciliação com o Bolsonarismo apenas favorece para que isso se concretize.

Diário Causa Operária

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS