A roda do poder continua girando em torno dos mesmos no governo Colbert/por Carlos Lima

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Em vinte anos de poder a roda continua girando sempre em torno dos mesmos. Quando não é Chico é Francisco.
Desta vez o vereador licenciado Justiniano França, que também estava cotado para ser vice de Colbert Filho que tenta se reeleger prefeito de Feira de Santana, e de forma surpreendente perdeu a posição para o “ficha suja” Fernando de Fabinho, teve o seu prêmio de consolo.
Foi nomeado, mais uma vez secretário de Educação. Um verdadeiro pepino, conforme as últimas denúncias.
A nomeação foi publicada no final dessa tarde de terça-feira (8), em edição extra do Diário Oficial Eletrônico do Município.
O gestor não sabe responder os desmandos praticados nessa secretaria que compromete o ensino municipal, e não justifica o número de funcionários nas escolas, os quais, na sua maioria esmagadora, não são encontrados nos seus respectivos locais e trabalho.
Alguns podem ser encontrados, esporadicamente, nos gabinetes dos vereadores.
O fato demonstra suspeitas de corrupção eleitoreiras e coleiras em forma de cabide de emprego, para os vereadores.
Justiniano França foi secretário de educação em 2002, primeiro governo do ex-prefeito José Ronaldo. Depois foi secretário de Serviços Públicos, na qual exercia a função até pouco tempo.
Com base nos dados do Inep, de 2019, podemos citar, por exemplo, os números das seguintes escolas:
ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR JOSE RAIMUNDO PEREIRA DE AZEVEDO, que possui 789 alunos, 51 professores e 268 funcionários.
ESCOLA MUNICIPAL PARQUE BRASIL, que possui 532 alunos, 24 professores e 221 funcionários
ESCOLA MUNICIPAL MARIA DA GLORIA CARVALHO BAHIA, que possui 137 alunos, 9 professores e 88 funcionários.
ESCOLA MUNICIPAL DOUTOR CLOVIS RAMOS LIMA, que possui 375 alunos, 21 professores e 146 funcionários
ESCOLA CHICO MENDES, que possui 662 alunos, 43 professores e 228 funcionários.
Ao analisarmos essa proporcionalidade de servidores, professores e alunos, se constata pouco mais de 2 funcionários para cada aluno.
Um absurdo que já denunciado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), no Catálogo de Escolas, em 86 instituições a quantidade de matrículas, turnos de funcionamento, número de salas de aula, bem como o número de docentes e funcionários.
Ao assumir pela segunda vez a secretaria de Educação, como Justiniano França vai solucionar essa questão?
Carlos Lima

OUTRAS NOTÍCIAS