Tempo - Tutiempo.net

Feira de Santana: o povo comenta ter uma administração estelionatária, chantagista e insensata /por Carlos Lima

Lideranças políticas de Feira de Santana

Será que alguém pode explicar a insensatez que existe atualmente na política e na administração de Feira de Santana, praticada pelo prefeito Colbert Filho.

Acredito que o sociólogo mais reconhecido do país encontraria imensa dificuldade em analisar este enigma.

Obviamente à crise política construída por Bolsonaro reforçou seus instintos segregacionistas. Com o poder, crendo, consolidado, deduziu que ficou mais fácil manipular a sociedade e o legislativo, em apoio e defesa dos seus interesses.

Teve êxito entre aqueles que historicamente são seres subservientes, satisfazendo-se com as migalhas que caem do prato ou da mesa.

A maioria do povo feirense, rapidamente, entendeu e reconheceu que a verdadeira face de Colbert era outra. Um ser perseguidor, incompetente, insensato e defensor das camadas abastadas da cidade.

Os cidadãos têm a sensação, conforme os comentários em praça pública, de que o município está passando por um período de estelionato político e administrativo.

Além do mais convivem com alternâncias de denúncias e formação de CPIs pelo poder Legislativo.

Traidor politicamente das posições políticas e ideológicas do seu pai, agora pode se tornar também traidor do seu partido MDB, antes das decisões oficiais do partido, participou ao lado de José Ronaldo, seu mentor e responsável pela sua eleição, do lançamento da candidatura de ACM Neto do governo da Bahia, confirmando apoio.

A prova de sua insensatez se manifesta de forma talante e visceral, pelo seu comportamento aleivoso.

O fato é que Colbert conseguiu acirrar as diferenças que, antes da eleição, pareceriam menores ou atenuáveis. Na verdade tornam-se maiores pela arrogância e falta de diplomacia em contornar as tendências de contraposição ao seu governo.

Arrogantemente usou o poder da caneta e a chantagem.

Comigo empregos e facilidades em todas as secretárias, “sem migo” sarjeta. Não deu certo com onze vereadores.

O diabo chegou para amassar o pão.

A confrontação ganhou força, está articulada, o presidente da Casa, se souber administrar essa situação pode se projetar e pela falta de lideranças e a ausência eleitoral de José Ronaldo no município, pode fortalecer uma candidatura ao executivo.

A oposição maior, na liderança de Zé Neto, pode surgir mais uma vez para chegar à prefeitura, tudo depende de Lula vencer as eleições presidenciais.

As águas continuam passando por baixo da ponte, Feira de Santana é a terra das nascentes.

Carlos Lima

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS