Juiz condena coligação liderada por Colbert Filho ao fazer Críticas cheias de mentiras e ilações

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Mentiroso e enganador

O magistrado Fábio Mello, juiz Eleitoral condenou no sábado (07/11/2020) a coligação ‘Trabalho Constante’, formada pelo MDB, DEM, PV, PROS, PSC, PATRIOTA, PSDB, PL e REDE, liderada pelo prefeito de Feira de Santana, Colbert Martins Filho (MDB),  a conceder 44 inserções de Direito de Resposta, totalizando 22 minutos, em favor do Estado da Bahia e da coligação ‘A Mudança Que Feira Quer’, formada pelo PT, PP, PDT, AVANTE e PCdoB, liderada pelo deputado Zé Neto, PT, candidato à prefeito.

As ações foram interpostas pelo Estado da Bahia e pela coligação liderada por Zé Neto que questionavam inserções publicitárias da campanha de Colbert Filho, candidato à reeleição, com notícias falsas que apontavam falhas nos serviços hospitalares de saúde fornecidos pelo Governo Rui Costa (PT).

A propaganda eleitoral Colbert Filho “mencionava de forma proposital que servidores públicos (médicos) deixariam os pacientes morrendo de forma desumana, e o faziam porque o hospital é estadual, gerido pelo PT, e que se os eleitores de Feira de Santana votarem no candidato do PT, acontecerá a mesma coisa nas unidades de saúde do município”, observou o juiz Fábio Mello Veiga ao analisar as peças publicitárias encaminhadas à Justiça Eleitoral e condenar a coligação liderada por Colbert Filho.

O magistrado  ao relatar a  sentença afirma quer:

— A liberdade de expressão, o direito a crítica, o embate político ainda que ácido são direitos, contudo, estes não podem ser lastreados em mentiras, fantasias, ilações, não é hipótese de humor, sátira, pilhéria (onde o interlocutor percebe ou é informado que se trata de mera brincadeira) mas sim um fato tido como verdadeiro sem qualquer base.

— A propaganda eleitoral da coligação [‘Trabalho Constante’] e dos nobres candidatos demandados transcendem a mera crítica política, a liberdade de expressão, dando a entender aos cidadãos e principalmente aos eleitores de Feira de Santana (estes são os alvos) que se seus entes queridos forem internados no hospital estadual supracitado e que caso o quadro tenha desfecho negativo os médicos deixaram o paciente morrer sofrendo, por no mínimo pura maldade, tudo isto claro “culpa do PT”.

— Assim, no mínimo e no mínimo mesmo, a propaganda é irresponsável criando alarmismo desnecessário, impingindo maior sofrimento a seres humanos parentes de pacientes que não conseguiram sobreviver, e nos momentos finais sucumbiram sentindo dor e sofrendo, não porque falta médicos ou insumos, mas porque aqueles (médicos) queriam que os pacientes sofressem nos momentos finais da vida.

— A matéria é no mínimo irresponsável porque coloca a integridade e até a vida de profissionais de saúde do Hospital Estadual Clériston Andrade em risco, imagine o familiar “sabendo” que um ente querido está sendo desrespeitado e até torturado nos momentos finais da vida, por menoscabo ou dolo da equipe médica.

E assim condenou a coligação “Trabalho Constante”.

Indignado com o que observou nas publicidades da coligação, o juiz Fábio Mello Veiga sentenciou penosamente a coligação ‘Trabalho Constante’.

Com tais declarações de Colbert através de sua campanha eleitoral, como o feirense pode acreditar na lisura das ações de Um gestor que renuncia a honestidade de comportamento para se manter no poder.

De um candidato que vai gerir os recursos da segunda maior cidade do Estados da Bahia. Será que o que ele diz é verdade?

Ou será que vamos conviver com outras Pityocampa, sem, nesse momento, resgatar as profundas suspeitas de ilicitudes que permeiam sua atual gestão?

A estupidez desse candidato fere mortalmente a honestidade, sensibilidade, dignidade e respeito ao ser humano.

É impossível acreditar que ele possa se dispor a governar o município visando o seu desenvolvimento e a melhoria da qualidade de vida do seu povo. O grupo dele é outro. Faça uma reflexão e com certeza a resposta será uma profunda decepção.

Cljornal

e

OUTRAS NOTÍCIAS