Benjamin, que já assassinou mais de mil civis, faz concessão: Quatro horas

Pressionado por países neutros, como o Brasil, e até por aliados, como Estados Unidos e Inglaterra, o governo israelense de Benjamin Netanyahu, que já assassinou mais de mil civis na Faixa de Gaza, aceitou fazer uma concessão: irá paralisar a matança por quatro horas; isso mesmo, quatro horas; pressão internacional mostra que o Itamaraty se antecipou aos fotos e se colocou do lado certo da história.

Israel aceitou estender por quatro horas a trégua humanitária com o Hamas e outros grupos armados na Faixa de Gaza neste sábado, disse uma fonte do governo israelense que solicitou anonimato.

Não ficou imediatamente claro se islamistas do Hamas, que controlam Gaza, também aceitaram prolongar o cessar-fogo, originalmente de 12 horas, até a meia-noite (18h, no horário de Brasília).

Ministros pedem extensão de cessar-fogo de 12 horas em Gaza.

Ministros das Relações Exteriores dos Estados Unidos, da Europa e do Oriente Médio pediram neste sábado a extensão do cessar-fogo de 12 horas entre Israel e o Hamas na Faixa de Gaza, afirmou o ministro das Relações Exteriores da França, Laurent Fabius.

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, tem liderado os esforços internacionais para dar fim ao conflito de 19 dias em que 940 palestinos, muitos dos quais civis, foram mortos.

Ele se encontrou com autoridades da Europa, do Catar e da Tuquia –importante interlocutores do Hamas– em reuniões em Paris.

“Todos nós pedimos que os envolvidos estendam o cessar-fogo humanitário que está atualmente em andamento”, disse Fabius a jornalistas após reunião que incluiu os ministros das Relações Exteriores da Grã-Bretanha, França, Alemanha, Itália, Catar, Turquia e EUA.

“Todos nós queremos obter, o mais rapidamente possível, um cessar-fogo duradouro e negociado que responda tanto às necessidades de Israel em termos de segurança e às necessidades da Palestina em termos de desenvolvimento sócio-econômico (de Gaza) e acesso ao território de Gaza”, acrescentou Fabius.

Os ministros, junto com o diplomata sênior da UE Pierre Vimont, reuniram-se no mesmo dia em que Israel começou um cessar-fogo de 12 horas, durante o qual disse que vai continuar buscando túneis utilizados por militantes.

O grupo islamista Hamas, que domina Gaza, disse que todas as facções palestinas respeitarão a breve trégua.

Os EUA se recusam a negociar com o Hamas porque consideram a facção palestina um grupo terrorista.

“A necessidade atualmente é dar fim às mortes”, disse o secretário de Relações Exteriores britânico, Philip Hammond, a jornalistas.

“E paramos com as mortes através da extensão desse cessar-fogo por 12 horas, 24 horas ou 48 horas — e então novamente, até que tenhamos estabelecido o nível de confiança que permite que os envolvidos sentem-se à mesa e discutam questões significativas”, acrescentou.    

Fonte: Arshad Mohammed e Mark John

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS