Tempo - Tutiempo.net

Ministério da Saúde comprou máscaras 30% mais caras do que o valor de mercado

Freddy Rabat e Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde comprou máscaras do tipo KN95 em abril do ano passado a um valor 29% superior ao que foi pago por uma empresa privada na mesma época, do mesmo importador e do mesmo fornecedor. A informação é da coluna de Thiago Herdy, no UOL.

A compra das 40 milhões de máscaras, que foram distribuídas a profissionais na linha de frente de enfrentamento da Covid-19, custou US$ 66 milhões.

Se o valor mais baixo fosse aplicado, a pasta teria pagado US$ 51,2 milhões, uma diferença de US$ 14,8 milhões.

De acordo com contrato assinado com a 356 Distribuidora, Importadora e Exportadora, representante no Brasil da empresa de Hong Kong Global Base Development HK Limited, cada máscara custou US$ 1,65.

Em abril, a mesma distribuidora assinou um contrato de importação do modelo KN95 semelhante. No entanto, elas custaram US$ 1,28 cada.

O dono da 356 Distribuidora, Freddy Rabbat preferiu não comentar. O Ministério da Saúde também não se pronunciou.

Rabbat representa no Brasil a marca de relógios suíça Tag Heuer e preside a Associação Brasileira de Empresas de Luxo.

Desde 2019 ele é conselheiro fiscal da Eucatex, empresa da família do ex-deputado federal Paulo Maluf (PP).

Brasil

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS