Tempo - Tutiempo.net

Com a exclusão do Brasil, Argentina assume o CELAC e quer ser o elo entre a América Latina e os EUA

Alberto Fernández presidente da Argentina

A Argentina assume nesta sexta-feira (7) a presidência rotativa da CELAC, a Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos.

Em Buenos Aires, os ministros das Relações Exteriores de 32 dos 33 países

(Brasil se excluiu) da América Latina devem ratificar o documento que legitima a Argentina como líder da CELAC até janeiro de 2023.

O Brasil pediu exclusão da entidade em 2020, por decisão do governo de Jair Bolsonaro, uma vez que a CELAC não condena os líderes de Estado da Venezuela, Nicarágua e Cuba.

Quanto custará para o Brasil negligenciar a FAO, a ONU e o multilateralismo?

A organização multilateral desperta o interesse da China há anos, que busca garantir um amplo acordo com os países membros. Além disso, um eventual tratado poderá enfraquecer a Organização dos Estados Americanos (OEA).

Vale lembrar que a CELAC, inclusive, foi criada em 2010 sob o argumento de que a OEA é excessivamente submissa aos interesses dos Estados Unidos.

A China pretende se aproximar da entidade nos campos comercial, econômico e financeiro. O entendimento inclui linhas de crédito e investimentos em telecomunicações, como a tecnologia 5G.

Segundo informações do Clarín, embora a posse da Argentina tenha sido celebrada, setores da oposição condenaram o presidente Alberto Fernández, instando o líder a rechaçar os governos cubano e venezuelano.

Ao assumir a organização, a Argentina pretende desempenhar um papel de articulação. No campo político, quer se tornar uma espécie de elo no diálogo entre os Estados Unidos e a Venezuela, Nicarágua e Cuba.

Na CELAC, todas as decisões precisam de consenso. Em setembro passado, a Argentina assumiria a presidência do organismo, mas, como o presidente Alberto Fernández questionou a prisão de opositores políticos na Nicarágua, o regime de Daniel Ortega retirou seu apoio.

O compromisso assumido pela Argentina é o de não questionar o regime de Ortega. A Argentina vai abster-se nas votações que procurarem condenar as violações aos direitos humanos na Nicarágua, na Venezuela e em Cuba.

O presidente Alberto Fernández tem alegado o princípio de não-intervenção em terceiros países para não condenar os regimes cubano, nicaraguense e venezuelano.

O Brasil ficou de fora…

Em 15 de janeiro de 2020, alinhado aos interesses dos Estados Unidos, o governo de Jair Bolsonaro decidiu suspender a participação do Brasil na CELAC.

O então chanceler Ernesto Araújo criticou a “falta de resultados na defesa da democracia” por parte da CELAC e concluiu que o foro tornou-se “um palco para regimes não-democráticos”.

A Argentina aproveita a ausência do Brasil para liderar a comunidade, mesmo que o Brasil represente metade da região em termos territorial e econômico.

Sputnik

O Brasil tem um governo vira-lata e um presidente entreguista  (cljornal)

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS