Tempo - Tutiempo.net

Putin: não tenho dúvidas de que a missão da operação na Ucrânia será cumprida

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou não ter dúvidas de que as metas e tarefas da operação na Ucrânia serão cumpridas.

Segundo o mandatário russo, a operação especial na Ucrânia foi uma ação correta, já que não havia outra escolha, e que as metas serão cumpridas.

“O que nós fazemos é ajudar as pessoas, salvá-las dos nazistas, e, ao mesmo tempo, tomamos medidas para garantir a segurança dos russos. Evidentemente, não tínhamos outra escolha. Esta foi uma decisão correta. E as tarefas serão cumpridas, não há dúvidas”, declarou Putin.

Com um broto neonazista sendo “germinado” especialmente em Kiev, uma colisão com Moscou era inevitável, era uma questão de tempo, afirmou Putin.

O presidente russo ressalta que a Rússia foi obrigada a fazer isso, e que a meta da operação especial é ajudar as pessoas em Donbass.

Putin: observamos tentativas do Ocidente de jogar culpa na Rússia por erros na política econômica

Os oficiais russos estão prestando total apoio às repúblicas de Lugansk e Donetsk, agindo de maneira corajosa e competente, e usando de maneira efetiva as modernas armas.

“Nós sabemos que hoje os nossos oficiais estão participando da operação militar especial em Donbass e na Ucrânia, prestando apoio à população da república de Donbass, agindo com coragem e competência, e usando com eficiência as armas mais modernas e desprovidas de análogos”, declarou Putin.

Kiev se recusou publicamente a cumprir os Acordos de Minsk, e continuar aceitando o genocídio era impossível, declarou Putin.

O presidente ainda afirmou que a Rússia não planeja se isolar, e que, no mundo contemporâneo, é impossível isolarem severamente o país.

Em 24 de fevereiro, a Rússia anunciou uma operação militar especial na Ucrânia em resposta ao pedido de assistência militar das repúblicas populares de Donetsk e Lugansk (RPD e RPL, respectivamente).

E a ameaça da OTAN instalar armas atômicas na Ucrânia, fronteira com a Rússia. O que era inadimissível para a segurança russa.

Sputnik

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS