Todos os países da América Latina foram espionados, afirma jornalista americano

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Uma declaração bombástica foi feita pelo jornalista Glenn Greenwald,  nessa segunda-feira (21) em Denver, no Colorado, aos membros da 69ª Assembleia Geral da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP). “Todos os países da América Latina foram objeto de espionagem por parte do governo dos Estados Unidos”, denunciou.

Greenwald, jornalista americano que mora no Brasil, abandonou na semana passada o jornal britânico The Guardian, que publicou as primeiras revelações do ex-consultor da Agência Nacional de Segurança (NSA), Edward Snowden, sobre um amplo programa de monitoramento de e-mails e telefones celulares.

O jornalista afirmou que fará mais revelações sobre a espionagem americana e esclareceu que as informações divulgadas na segunda-feira (21), na França, pelo jornal Le Monde, “estavam sendo negociadas há tempo com este jornal”.

“Como e quando publicam é uma decisão do jornal”, disse Greenwald ao ser consultado sobre a coincidência das revelações de espionagem dos EUA na França com a visita do secretário americano de Estado, John Kerry, a Paris.

Segundo o Le Monde, a NS realizou 70,3 milhões de gravações de dados telefônicos de franceses em um período de 30 dias entre dezembro de 2012 e janeiro de 2013.

O presidente francês, François Hollande, manifestou sua “profunda reprovação” envolvendo a espionagem sobre dezenas de milhões de telefonemas de cidadãos franceses, uma “prática inaceitável” entre aliados e amigos.

Sobre a América Latina, Greenwald revelou que “várias conferências latino-americanas”, incluindo da Organização dos Estados Americanos (OEA) e “conversações sobre tratados de livre comércio” da região foram espionadas.

Greenwald destacou que os documentos da NSA vazados por Snowden “estão guardados em diferentes partes do mundo” e afirmou que “revelar esta informação é do interesse público”.

O jornalista disse também que “seguirá lutando pela liberdade de imprensa” e destacou que se sente “muito seguro no Brasil, onde tenho recebido o apoio que preciso”.

Fonte: Redação com informações de agências

OUTRAS NOTÍCIAS