Isaías denuncia decreto do Governo da Bahia que vai causar desemprego

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Vereador Isaias de Diogo

Iniciando o seu pronunciamento nessa segunda feira (23) no Legislativo feirense, o vereador Isaias de Diogo, disse: “Nesta manhã, o que me traz aqui nesta tribuna é para falar sobre o decreto de nº 16.417/2015, que, segundo o Governo do Estado, quer economizar mais de R$ 200 milhões dos cofres públicos, para combater esta crise implantada por eles mesmos”.

De acordo com Isaías, o Governo pretende determinar o corte do consumo de energia elétrica em 30% , telefonia fixa 15% e contratos de terceirizados 20%.

“Com relação aos terceirizados, eu quero dizer aqui nesta manhã que, infelizmente, as faculdades estaduais, principalmente a Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), ficarão no prejuízo, porque o Governo está cortando também mais de 15% dos servidores que prestam serviço na questão da segurança e Serviços Gerais.

A empresa que irá servir na segurança da Uefs será a AVI Segurança, que ganhou a licitação, em substituição à BRK Segurança Integrada, informou o edil.

Segundo ele, a empresa BRK prestava serviço com 272 vigilantes e, com o novo contrato da Uefs com a AVI, a segurança será reduzida em cerca de 60 vigilantes.

“País de famílias estarão desempregados. E isso é só na Uefs, imagina em todo o estado o arraso que este Governo vai fazer”, criticou Isaías, classificando a medida como uma vergonha.

O vereador disse que o governador Rui Costa (PT), durante a campanha política, prometeu mais emprego e benefícios sociais, além de fomentar o crescimento econômico.

“E agora está penalizando quem votou neles: os pais de família, os trabalhadores, que a partir de alguns dias ficarão desempregados”, queixou-se.

Em aparte, o vereador Edvaldo Lima (PP) defendeu o Governo do Estado, argumentando que quem está assumindo a Uefs é a empresa AVI Segurança e, por conta disso, é a responsável pela redução do quadro de vigilantes.

Novamente com o uso da palavra, Isaías explicou ao colega oposicionista que a AVI apenas cumprirá o contrato de licitação, que determina o corte de 15% no número de profissionais de segurança para atuarem na Uefs.

cljornal com informações da Ascom

OUTRAS NOTÍCIAS