Tempo - Tutiempo.net

ESCRAVOS NÃO DEVERIAM SAIR DA SENZALA, PONDÉ?

Um artigo publicado pelo “filósofo” Luiz Felipe Pondé, na Folha de S. Paulo, serviu para escancarar a mecânica do pensamento reacionário.

“Temos que reconhecer: chegamos ao fim de uma era. O PT vive seu outono. Melhor voltar para o pátio da fábrica onde nasceu e de onde nunca deveria ter saído”, disse ele.

O PT, como se sabe, nasceu no calor das greves de metalúrgicos do ABC, em 1980, quando o então operário Luiz Inácio Lula da Silva liderava multidões nos comícios da Vila Euclides, em São Bernardo do Campo (SP).

Chegou ao poder em 2002 e representa a mais bem-sucedida experiência de construção de um partido de massas, na segunda metade do século XX. Desde então, o PT governa um país continental e, hoje, acumula ainda cinco governos estaduais e mais de 700 prefeituras.

Segundo Pondé, no entanto, é hora de voltar para o chão de fábrica, de onde o partido nunca deveria ter saído. Afinal, trabalhador tem que obedecer. Operário não pode ser patrão.

Essa lógica perversa permite que algumas perguntas sejam feitas ao filósofo:

1) será que os negros deveriam voltar para a senzala, de onde nunca deveriam ter saído?

2) será que as mulheres deveriam voltar para a cozinha, de onde nunca deveriam ter saído?

3) será que os gays deveriam voltar para o armário?

4) será que os palestinos deveriam aceitar a opressão imposta por Benjamin Netanyahu?

A ordem social expressa por Pondé é avessa ao conceito de igualdade.

Lembra até o pensamento da ex-colunista Danuza Leão, que disse que Paris perdeu a graça depois que ela descobriu que seu porteiro também podia visitar a cidade-luz.

Aliás, mais uma pergunta: o porteiro de Danuza deveria voltar para a guarita, de onde nunca deveria ter saído?

Esse tipo de discurso, tão ou mais do que o repúdio à corrupção, é o que alimenta a pregação do ódio a um partido político. Como expressou o cientista político André Singer em entrevista publicada neste fim de semana, há um fenômeno a ser estudado no Brasil: a rejeição da elite ao povo brasileiro.

Fonte: Brasil 247/Redação

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS