O arrependimento de Darwin

 

Charles Darwin em biografia confessa seu arrependimento: pouca poesia e pouca música.

 

“Minha mente mudou nos últimos vinte ou trinta anos … Já há muitos anos eu não suporto sequer ler uma linha de poesia … Eu também perdi quase completamente o gosto por pintura ou música … Minha mente parece ter se tornado uma espécie de máquina de extrair leis gerais a partir de grandes conjuntos de fatos …

Se eu tivesse que viver minha vida novamente, eu teria criado uma regra de ler alguma poesia e ouvir um pouco de música, pelo menos uma vez por semana … Perder esses gostos é perder felicidade, e possivelmente pode ser prejudicial para o intelecto, e mais provavelmente ao caráter moral, por enfraquecer a porção emocional da nossa natureza.”

Fonte: The Autobiography of Charles Darwin: 1809-1882

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS