AGOSTO CHEGA AO SEU FINAL E O BRASIL MERECE PAZ

AGOSTO SEMPRE UM MÊS MACABRO

Agosto, mês do desgosto. Assim vaticinavam os colunistas políticos que esperavam que o Brasil vivesse uma nova tragédia política neste agosto de 2015.

Foi num dia 24 de agosto, o de 1954, que Getúlio Vargas se matou. E foi num dia 25, o de 1961, que Jânio Quadros renunciou à presidência da República, num movimento que colocou em marcha as engrenagens para o golpe militar de 1964.

Antes desse agosto de 2015, bem que a presidente Dilma Rousseff avisou não ter vocação nem para Getúlio, nem para Jânio. Mas muitos preferiam não escutá-la. E tentaram fazer de tudo para que ela sofresse um processo de impedimento pelas chamadas ‘pedaladas fiscais’ – um caso já adiado para outubro.

Turbulências, de fato, aconteceram. No dia 16, milhares de pessoas foram às ruas, em várias capitais, pregando o ‘Fora, Dilma!’. Como rescaldo desse movimento, a direita brasileira tem desfilado em pontos de alta concentração urbana com um boneco do ex-presidente Lula vestido como presidiário. Da mesma forma, uma militante da União da Juventude Socialista furou o boneco e outros prometeram furar quantos mais forem lançados pela extrema direita.

Nesse carnaval político, todos puderam se manifestar, mas o fato é que a elite brasileira vem clamando por um mínimo de paz. Em entrevistas recentes, empresários de peso, como Abílio Diniz (Brasil Foods), Luiz Carlos Trabuco (Bradesco), Roberto Setubal (Itaú-Unibanco), Rubens Ometto (Cosan) e Robson Andrade (CNI), têm clamado por respeito às urnas e um mínimo de apoio para que a presidente Dilma tenha governabilidade.

No entanto, ninguém se manifestou de modo tão oportuno como o procurador-geral da República, ao arquivar uma das representações movidas pelo PSDB a respeito das eleições presidenciais de 2014. “Não interessa à sociedade que as controvérsias sobre a eleição se perpetuem: os eleitos devem poder usufruir das prerrogativas de seus cargos e do ônus que lhes sobreveem. Os derrotados devem conhecer sua situação e se preparar para o próximo pleito”, disse ele.

Ainda falta um dia para o mês de agosto chegar ao fim, mas o fato é que o Brasil merece paz. Sem ela, a economia não sairá do atoleiro em que se encontra e o ‘quanto pior, melhor’ não deveria interessar a nenhuma liderança política do País. Nem aos que pretendem ser governo amanhã.

Leonardo Attuch

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS