Bolsonaro sabota médicos e usa Brasil como cobaia

Além de pregar contra as instituições e afugentar investidores, Jair Bolsonaro agora expõe os brasileiros a um experimento médico absurdo ao tentar enfiar-lhes goela abaixo a cloroquina e outros medicamentos sem eficácia comprovada no tratamento do coronavírus.

 As drogas, segundo dezenas de estudos, não são apenas ineficientes —oferecem perigo e podem matar. Mas elas agora fazem parte da orientação do Ministério da Saúde para que sejam administradas precocemente a pacientes infectados pela Covid-19.

A covardia do governo impediu que os medicamentos integrem um protocolo formal do ministério, o que exigiria a assinatura de um médico. O subterfúgio foi publicar um documento de “orientações” da pasta, sem um responsável, mas que sugere inclusive as dosagens a serem utilizadas.

Com os leitos de UTI chegando ao fim em muitos estados, não tardará para que a população em desespero ouça o garoto propaganda Bolsonaro e passe a constranger médicos contrários ao uso da cloroquina.

Com as drogas agora recomendadas pelo próprio Ministério da Saúde (tocado por um militar do mesmo Exército que as produz e faz sua distribuição), será difícil para os médicos convencer os pacientes a caírem fora do experimento idealizado pelo presidente.

Além de já terem de lidar com o coronavírus, o risco para os médicos é uma enxurrada de pacientes com efeitos colaterais graves provocados pela medicação, em especial arritmias cardíacas que podem matar. Já fatigados, eles agora podem sofrer mais pressão.

Se por um lado os médicos têm a prerrogativa final de receitar ou não a cloroquina, por outro terão sobre seus ombros o peso de encarar brasileiros doentes sem UTIs; e contaminados pela campanha de um presidente que não se constrange mais em testar limites.

Folha De S. Paulo

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

OUTRAS NOTÍCIAS