Tempo - Tutiempo.net

Brasil tem 10% das mortes mundiais, lidera pico da segunda onda e vive princípio do caos

Brasil tem 10% das mortes no mundo por covid

Com o descontrole do número de novos casos e crescentes médias diárias de óbitos por covid-19, o Brasil chega ao fim desta semana assumindo um status de alerta mundial: o país tem hoje 10,3% das mortes do mundo, ao mesmo tempo em que possui menos de 3% da população do planeta.

O cálculo é da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que constantemente tem advertido as autoridades de saúde sobre o andamento da pandemia em território nacional.

Sem nunca ter tido redução expressiva na transmissão da doença, o país vive atualmente o seu pior momento desde o início da pandemia, em março de 2020. Já são mais de 275 mil mortes e cerca de 11,3 milhões de infectados.

Na última quinta-feira (11), por exemplo, o Brasil teve 23% das mortes registradas em todo o mundo na data.

]O alerta veio do renomado cientista brasileiro Miguel Nicolelis, que destacou, na sexta (12), o “estado crítico” da pandemia no país e chamou a atenção para o “risco regional e global” que o país representa hoje.

Preocupação semelhante tem a cúpula da Organização Mundial da Saúde (OMS), para a qual o Brasil representa hoje uma ameaça em escala planetária.

“A situação é muito preocupante. Estamos profundamente preocupados. Não é só o número de novos casos que aumenta, mas os de mortes também”, resumiu, na sexta (12), o diretor-geral da entidade, Tedros Ghebreyesus.

O panorama do país se traduz, por exemplo, na frequente lotação dos hospitais.

Segundo a Fiocruz, o cenário desta semana é de 20 estados dentro daquilo que a instituição considera como “zona de alerta crítico” em termos de ocupação de UTIs e 13 unidades da Federação com 90% de ocupação dos leitos.

A médica de família Nathalia Neiva Santos, da Rede de Médicas e Médicos Populares, lembra que a situação chegou a este ponto por conta do descontrole do problema, alimentado pela falta de uma política séria de lockdown no país.

A conduta do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), tem sido apontada frequentemente por profissionais de saúde como um entrave à boa gestão da pandemia.

Na quinta (11), ele voltou a atacar governadores por conta das políticas de isolamento e afirmou que “lockdown não é remédio.”

“Isso faz com que a pandemia não seja controlada.

E não só não seja controlada, como gere novas variantes, como ocorreu em Manaus agora no começo do ano, com a variante P1”, ressalta Nathália, ao mencionar os novos desafios que vêm surgindo no cenário.

Apesar da falta de coordenação nacional, o município de Araraquara (SP), por exemplo, tem mostrado que a política de isolamento dá bons resultados.

A cidade viveu, em fevereiro, um pico de lotação em enfermarias e UTIs, mas passou a adotar um rígido lockdown e os casos de covid caíram pela metade já no início de março.

“O preocupante é que, muitas vezes, o lockdown vem como resposta a um colapso, mas poderia ser adotado em estágios anteriores, pra gente evitar esse número de mortes tão alto como tem acontecido.

Ele é um remédio amargo, a gente sabe das implicações que tem, mas é o que se tem de resposta, combinado com a vacina”, afirma a médica de família.

Vacinação

No quesito vacinação, o Brasil também segue em ritmo lento, com menos de 5% da população imunizada.

E o problema virou caso de Justiça: cinco partidos ingressaram no Supremo Tribunal Federal (STF) na última quinta (11) para pedir que o governo Bolsonaro seja formalmente obrigado a agilizar a vacinação e a garantir o produto para toda a população.

O pedido partiu das siglas PT, PSB, PSOL, PCdoB e Cidadania.

No mundo, países como Estados Unidos, Reino Unido e Canadá, que largaram na frente em termos de vacinação contra a covid, foram ultrapassados pelo Chile, que vem chamando a atenção nesse aspecto.

O país andino alcançou uma média de 1,67 doses aplicadas para cada 100 habitantes.

O índice supera o de Israel, que vinha se destacando por ter uma média de 1,2, apesar de não estar promovendo exatamente uma imunização em massa por negar a vacinação ao povo palestino.

“O Chile é uma grande surpresa e, ao mesmo tempo, uma chama de esperança porque existe uma dificuldade dos países latinos em operar a vacinação”, avalia Nathalia Santos.

“É importante entender que eles não só estão vacinando como combinam a vacinação com o lockdown. A vacina não traz respostas imediatas para o controle de casos, por isso são necessárias medidas restritivas. O Chile tem dado esse exemplo de um controle combinado”, finaliza.

Cristiane Sampaio

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS