PM diz que atirou em cadela porque estava estressado

O policial militar que atirou em uma cachorra durante uma ronda em Recife (PE) disse à Corregedoria da corporação que efetuou o disparo porque estava estressado.
A cachorra latiu durante a operação da polícia. Foi quando o agente decidiu atirar.
A vira-lata de dois anos foi atingida na cabeça, próximo ao focinho. Suzi, como é chamada, passa por um tratamento veterinário que deve durar pelo menos seis meses. O custo da medicação e da análise clínica passa dos R$ 2.000.
O Movimento de Defesa dos Animais de Pernambuco faz uma campanha com o objetivo de conseguir recursos para ajudar no tratamento. A presidente da ONG quer entrar na Justiça para que o Estado pague pelo tratamento, já que o autor do disparo foi um policial.
Segundo a dona, Suzi tem dificuldades para andar e comer, sente dores na cabeça e, como consequência do tiro, teve efeitos colaterais na região dos olhos, já que uma das córneas foi afetada.

Fonte: Redação

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS