Tempo - Tutiempo.net

“Lula será eleito e nós seremos presos”, profetizou procuradora da Lava Jato

Procuradora Jerusa

Os procuradores da extinta Lava Jato achavam que seriam presos num eventual governo Lula. O comentário, em tom de ironia, foi feito em 17 de maio de 2017 por Jerusa Viecili.

É o que mostram diálogos travados por mensagens de celular analisados pela Polícia Federal no âmbito da chamada Operação Spoofing.

A conversa envolveu, além de Jerusa, Paulo Sérgio Ferreira Filho, Isabel Grobba e Orlando Martello. Eles deblateravam sobre o impacto das gravações nas quais Joesley Batista registrava pedidos de propina do então presidente Michel Temer, e de Aécio Neves (MG), na época senador pelo PSDB.

Em ações controladas pela Polícia Federal, o repasse de dinheiro a emissários de Temer e Aécio foi filmado. As cédulas tiveram os números de série previamente registrados e estavam acomodadas em malas e mochilas equipadas com chips.

O caminho do dinheiro foi monitorado pelos investigadores. A coisa foi toda vazada para o jornal O Globo.

Joesley e o irmão Wesley, donos da JBS, fecharam acordo de delação premiada com a PGR. O acerto com Janot foi fechado em tempo recorde e teve autorização do relator da Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin.

É daí que sai o clássico momento em que Joesley comunica a Temer que está enviando dinheiro a Cunha, então na cadeia. Temer responde: “Tem que manter isso, viu?”

No bate-papo dos procuradores, Paulo Sérgio começa apontando que “essa confusão vai parar o país… Vão interromper o campeonato brasileiro. Bahia campeão!”

“Defendo uma delação com Temer ou Cunha para pegar Gilmar”, responde Orlando. Jerusa encerra com uma profecia: “Povo pedindo diretas. Lula será eleito. E nós seremos presos”.

Lula foi para a prisão no dia 7 abril de 2018 em Curitiba. Ficou 580 dias.

Dois anos mais tarde, Jerusa alertaria os colegas de que eles ajudaram a eleger Jair Bolsonaro e que deveriam se desvincular dele, num colóquio enviado pela defesa de Lula ao Supremo.

“Delta, sobre a reaproximação com os jornalistas, minha opinião é de que precisamos nos desvincular do Bozo [Jair Bolsonaro], só assim os jornalistas vão ver a credibilidade e apoiar a LJ [‘lava jato’].

Temos que entender que a FT [força-tarefa] ajudou a eleger Bozo, e que, se ele atropelar a democracia, a LJ será lembrada como apoiadora. eu, pessoalmente, me preocupo muito com isso (vc sabe)”, disse a Dallagnol em 29 de março de 2019.

Jerusa se incomodou que houve manifestação da turma quando Bolsonaro elogiou a ditadura militar.

“Agora, com a ‘comemoração da ditadura’ (embora não tenha vinculação direta com o combate à corrupção), estamos em silêncio nas redes sociais. Não prezamos a democracia? concordamos, como os defensores de bozo, que a ditadura foram os 13 anos de governo PT? A LJ teria se desenvolvido numa ditadura?”.

Em 2019, ela pediu desculpas a Lula por fazer piada com a morte de Marisa Letícia e do neto Arthur. “Querem que eu fique pro enterro?”, escreveu no chat revelado na Vaza Jato.

Kiko Nogueira, DCM

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS