Tempo - Tutiempo.net

Megaoperação prende integrantes de grupos neonazistas em 7 estados

Armas neonazistas apreendidas

O Ministério Público e a Polícia Civil do Rio deflagraram na quinta-feira (16) uma megaoperação contra uma rede de grupos neonazistas que se organizavam por meio de grupos de WhatsApp em 7 estados. Pelo menos 4 extremistas de direita foram presas.

A Operação Bergon, como foi batizada, é fruto de sete meses de investigação do Gaeco (Grupo de Atuação Especializado no Combate ao Crime Organizado).

Foram expedidos quatro mandados de prisão e 30 mandados de busca e apreensão. Além do Rio de Janeiro, há alvos localizados em São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Norte.

Um dos mandados foi cumprido em Suzano, na Região Metropolitana de São Paulo.

A cidade é a mesma onde dois jovens invadiram uma escola e mataram sete pessoas em 2019, mas não há informações sobre relação entre o alvo do mandado e o ataque até o momento.

Na casa do homem foram encontradas sete facas, uma besta e oito flechas, além de livros neonazistas.

A operação conta com apoio da Coordenadoria de Segurança Institucional e Inteligência do MP-RJ, e é realizada em conjunto com DCAV (Delegacia da Criança e Adolescente Vítima).

De acordo com o MP-RJ, a operação tem como objetivo combater “associações entre indivíduos que praticam, divulgam e instigam a realização de atos de discriminação e preconceito em relação à raça, cor, etnia e procedência nacional, além do crime de corrupção de menores”.

Quebras de sigilo telefônico e de dados autorizadas pela Justiça revelaram a existência de grupos neonazistas e ultranacionalistas articulados digitalmente.

Os investigados —alguns deles adolescentes— usavam aplicativos de mensagens como o WhatsApp e redes sociais para postar mensagens, imagens e fotografias de caráter racista, antissemita, homofóbico e nazista.

As mensagens ainda defendiam a prática de atos violentos contra esses grupos.

O nome da operação faz referência à freira francesa Denise Bergon, que desafiou nazistas ao abrigar e salvar a vida de dezenas de crianças judias durante a Segunda Guerra.

Integrante cometeria atentado
Um dos alvos presos na operação tinha armamento e planos para cometer um ataque em festas de final de ano em São Paulo.

“Apreendemos armas de fogo, bombas caseiras. O alvo disse que usaria as bombas caseiras em uma festa de final de ano”, disse o delegado Adriano Franca, titular da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (Dcav), durante coletiva.

“Essa operação não acaba aqui. Com certeza, com a perícia dos aparelhos, chegaremos a outros alvos”, continuou França.

Já o promotor Bruno Gaspar disse que a investigação e a operação também possuem um aspecto “educativo”.

“Foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão na casa de adolescentes, e isso serve de alerta também para os pais. Alguns pais não tinham o menor conhecimento do que seus filhos estavam publicando nas redes sociais”, afirmou.

RPP

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS