Tempo - Tutiempo.net

Padrasto pega 11 anos de cadeia por matar bebê com socos e dentadas

A criança Anthony Daniel de Andrade Moraes, assassinada

 padrasto Ronaldo Silvestrini Junior, acusado de espancar e matar um bebê de apenas 1 ano de idade em Praia Grande, no litoral de São Paulo, foi condenado a 11 anos de prisão nesta última sexta-feira (5).

O homem teria cometido o crime quando a mãe da criança não estava em casa.

Segundo o laudo pericial, o bebê tinha várias fraturas pelo corpo, uma mordida no rosto e diversos hematomas. Ronaldo foi julgado por homicídio duplamente qualificado, mas foi condenado por lesão corporal seguida de morte.

O crime aconteceu em janeiro de 2020. O bebê Anthony Daniel de Andrade Moraes, de 1 ano e 3 meses, foi levado pela mãe e pelo padrasto já morto para um hospital da Praia Grande.

No atendimento, a equipe médica observou diversas fraturas, mordidas e hematomas espalhados pelo corpo da criança.

O padrasto e a mãe, Giulia de Andrade Candido, foram presos em flagrante.

Durante as investigações da polícia, ambos apresentaram versões diferentes sobre o ocorrido.

A mulher havia saído da casa e deixado o filho sozinho com o companheiro. Os dois disseram que Anthony teria caído da escada dias antes.

Quando foi constatado as agressões, a mãe foi solta e indiciada por falso testemunho em liberdade. Já o padrasto permaneceu detido e foi indiciado por homicídio triplamente qualificado.

Ronaldo foi ao júri popular e julgado por homicídio duplamente qualificado. Ronaldo tentou provar a inocência diante do tribunal e alegou que a criança, dois dias antes da morte, caiu de uma escada ‘caracol’ da casa onde morava a família.

A defesa do homem afirmou que vai recorrer da decisão.

Com informações do IG

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS