Tempo - Tutiempo.net

Estados Unidos ameaçam China por se negar a adotar sanções contra a Rússia

China condena sanções aplicadas pelos EUA à Rússia

O conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Jake Sullivan, que deve se reunir com o principal diplomata chinês Yang Jiechi em Roma na segunda-feira (14), alertou Pequim que “absolutamente” enfrentará consequências se ajudar Moscou a evitar sanções abrangentes sobre a guerra na Ucrânia.

Sullivan disse à CNN que os Estados Unidos acreditavam que a China já estava ciente de que a Rússia planejava alguma ação na Ucrânia antes da invasão, embora Pequim possa não ter entendido toda a extensão do que foi planejado.

Agora, disse ele, Washington está observando atentamente para ver até que ponto Pequim fornece apoio econômico ou material à Rússia e imporia consequências se isso ocorresse.

“Estamos comunicando diretamente, em particular a Pequim, que haverá absolutamente consequências para sanções em larga escala, esforços de evasão ou apoio à Rússia para preenchê-los”, disse Sullivan.

“Não permitiremos que isso avance e que haja uma tábua de salvação para a Rússia dessas sanções econômicas de qualquer país, em qualquer lugar do mundo”.

Um alto funcionário do governo disse que a guerra na Ucrânia seria um “tema significativo” durante a reunião de Sullivan com Yang, que faz parte de um esforço mais amplo de Washington e Pequim para manter canais abertos de comunicação e administrar a competição entre as duas maiores economias do mundo.

“Esta reunião está ocorrendo no contexto da guerra injustificada e brutal da Rússia contra a Ucrânia, e como a China se alinhou com a Rússia para avançar sua própria visão da ordem mundial, então eu espero… impacto da guerra da Rússia contra a Ucrânia na segurança regional e global”, disse a fonte.

Nenhum resultado específico era esperado da reunião, acrescentou a fonte, falando sob condição de anonimato.

Os Estados Unidos disseram no sábado que vão enviar até US$ 200 milhões em armas adicionais para as forças ucranianas, enquanto tentam se defender contra os bombardeios russos na maior guerra na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

O ataque russo, que Moscou chama de “operação militar especial”, prendeu milhares de civis em cidades sitiadas e fez 2,5 milhões de ucranianos fugirem para países vizinhos.

Os Estados Unidos e seus aliados impuseram sanções abrangentes e sem precedentes contra a Rússia e proibiram suas importações de energia, enquanto fornecem bilhões de dólares em assistência militar e humanitária à Ucrânia.

Individualmente e em conjunto, eles apelaram à China, às nações do Golfo e a outros que não condenaram a invasão russa a se unirem para isolar a Rússia da economia global.

Pequim, um importante parceiro comercial da Rússia, se recusou a chamar as ações da Rússia de invasão, embora o presidente chinês Xi Jinping na semana passada tenha pedido “limitação máxima” na Ucrânia após uma reunião virtual com o chanceler alemão Olaf Scholz e o presidente francês Emmanuel Macron.

Xi também expressou preocupação com o impacto das sanções nas finanças globais, suprimentos de energia, transporte e cadeias de suprimentos, em meio a sinais crescentes de que as sanções ocidentais estão limitando a capacidade da China de comprar petróleo russo.

Hu Xijin, ex-editor-chefe do jornal chinês Global Times, apoiado pelo Estado, disse no Twitter: “se Sullivan achar que pode persuadir a China a participar de sanções contra a Rússia, ficará desapontado”.

O Fundo Monetário Internacional disse na semana passada que a crise também pode fazer com que a China perca sua meta de crescimento de 5,5% este ano, e seu chefe disse que conversou com o principal banqueiro central da China e esperava uma pressão crescente sobre a Rússia para encerrar a guerra.

Enquanto estiver em Roma, Sullivan também se reunirá com Luigi Mattiolo, conselheiro diplomático do primeiro-ministro italiano Mario Draghi, para continuar coordenando a forte resposta global à “guerra de escolha” do presidente russo, Vladimir Putin, disse a fonte.

Os Estados Unidos e as economias avançadas do G7 aumentaram nesta sexta-feira a pressão sobre a Rússia ao pedir a revogação de seu status comercial de “nação mais favorecida”, o que lhes permitiria aumentar as tarifas sobre produtos russos.

O comércio representou cerca de 46% da economia da Rússia em 2020, grande parte com a China, seu maior destino de exportação.

Reuters

A prepotência dos EUA é ilimitada, quer impor decisões a nações soberanas. Com a China a situação será extremamente diferente. Não há o que duvidar, os EUA estão forçando uma guerra mundial de proporções nuclear.

cljornal

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS