O NOVO ‘CRIME’ DE LULA: VISITAR UM IMÓVEL

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Inventado um novo crime

Como foi revelado pela Folha de S. Paulo no último sábado, a ex-primeira-dama Marisa Letícia cometeu um “crime” gravíssimo: ela comprou uma canoa de lata, de R$ 4,1 mil, com nota fiscal e pediu que a mesma fosse entregue num sítio de amigos, visitado ocasionalmente pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (leia maisaqui).

Agora, descobre-se, pelas manchetes de Globo, Folha e Estado, que ela e o ex-presidente Lula cometeram mais um crime terrível: visitaram um imóvel que poderia ser deles, no Guarujá (SP).

“Lula admite ida a triplex com OAS, mas nega ser dono”, diz a manchete do Globo.

“Lula admite visita a triplex; MP vê incoerência na defesa”, reforça o Estado de S. Paulo, que ouviu ainda o promotor Cássio Conserino, que, de cara, desqualificou a defesa de Lula, afirmando que sua versão seria “inconsistente”.

Na Folha, “Lula admite que visitou triplex investigado”. (detalhe: só é investigado porque poderia vir a ser de Lula).

Ontem, por meio de nota, o Instituto Lula desmontou a farsa do caso.

Ele publicou um dossiê completo em que disponibilizou todos os documentos referentes ao famoso “triplex” do Guarujá.

Lula forneceu seus contratos com a Bancoop, sua declaração de Imposto de Renda, a declaração de bens ao Tribunal Superior Eleitoral e os contratos que compravam a desistência da ex-primeira-dama Marisa Letícia em continuar com o imóvel.

“A mesquinhez dessa ‘denúncia’, que restará sepultada nos autos e perante a História, é o final inglório da maior campanha de perseguição que já se fez a um líder político neste País”, apontou a nota do Instituto Lula; “Sem ideias, sem propostas, sem rumo, a oposição acabou no Guarujá. Na mesma praia se expõem ao ridículo uma imprensa facciosa e seus agentes públicos partidarizados”.

No entanto, para o cartel da mídia no Brasil, Lula e Marisa não tinham o direito de visitar um imóvel que poderia vir a ser deles.

Um imóvel que só foi devolvido depois do circo armado pela mídia. Um circo que, por sinal, também prejudicou outros proprietários do mesmo imóvel.

Leonardo Attuch

OUTRAS NOTÍCIAS