Targino pedirá desfiliação do PSC

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Os dias do deputado estadual Targino Machado, um dos principais opositores do governo na Assembleia Legislativa da Bahia, no PSC estão próximos do fim. O parlamentar admitiu que a adesão da legenda à base de apoio à administração de Jaques Wagner foi determinante para ele buscar a saída na Justiça Eleitoral.

 

“Não se discute fato, o PSC está na base. O namoro demorou mais do que uma gestação. Tenho com o meu partido uma relação elegante, respeitosa e, creia, estou triste com essa mudança, porque inviabiliza a minha permanência nas suas fileiras”, declarou.

 

Targino disse que “imaginava” a sigla como o seu “derradeiro partido”. “Por isso estou a lamentar a mudança ocorrida, porque participamos de uma campanha em 2010 defendendo outras ideias e outro projeto para a Bahia, diferente do abraço que hoje dá o partido no governo”, considerou.

 

Como dificuldade à sua permanência, Targino avaliou não ter “condição de rasgar” a sua história “e aderir a um governo do qual, creio, tenho sido na Assembleia Legislativa da Bahia o maior crítico”. “Tenho que, infelizmente, buscar o remédio jurídico junto ao Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) objetivando conseguir a minha desfiliação do partido por justa causa. Creio que este é o único caminho que me resta, porque estou submetido a risco de dificílima reparação se não adotar esta via”, avaliou.

 

Líder da agremiação na AL-BA, Targino Machado crê estar “impedido de exercer” seu mandato “com verdade”. “Pois eu e o partido temos hoje pensamentos e posições distintas. Não posso estar em um partido cujo controle das suas ações e dos seus posicionamentos está nas mãos do governador, que comigo litiga judicialmente, pois aforou contra mim duas ações”, recordou.

 

Segundo ele, devido à querela jurídica com o chefe do Executivo baiano, se ele ficasse, poderia não conseguir se candidatar à reeleição. “É público que, no período eleitoral, as coligações para as eleições proporcionais são necessárias para a sobrevivência dos partidos, que precisam nelas se agrupar. Ocorre que o governo não irá permitir coligação com o PSC, se filiado eu estiver a ele, pois assim contribuirá com minha eleição.

 

Ao contrário, com certeza, o governador apresentará um veto à minha candidatura”, estimou. Ele lamentou ainda que a inexistência de “candidatura nata” poderá prejudicá-lo. “As convenções partidárias são soberanas para escolher candidatos e, como não tenho eu maioria em referido colegiado, portanto, estou em verdadeira saia justa precisando tomar a atitude que anuncio. Rogo a Deus e aos homens que, no futuro, tenhamos uma legislação eleitoral que não permita que fatos como esses ocorram, porque instalou-se no Brasil uma ditadura partidária”, acredita.

 

Emocionado, o deputado avisou que só recuará se for impedido pelo TRE. “Não sairei do meu partido atirando e dirigindo-lhe críticas porque tenho por ele amor e respeito. Essas coisas passarão, uma nova legislação se instalará nesse país e espero que o PSC, com o seu ideário, ainda possa colaborar muito com a vida dos baianos e dos brasileiros.

 

Se conseguir a minha carta de alforria, levarei no peito saudades do meu partido, dos seus filiados e da sua direção”, concluiu. O destino de Targino Machado pode ser o DEM, o PTN, o PSDB ou até mesmo o PMDB, sua antiga morada.

Fonte: Da Redação com Bahia Notícias

OUTRAS NOTÍCIAS