Tempo - Tutiempo.net

Amazônia tem aumento de 21,97% no desmatamento em 2021

O desmatamento criminoso é uma reralidade

A Amazônia Legal sofreu nova alta na taxa de desmatamento, que chegou a 21,97% no período entre agosto de 2020 e julho de 2021. Divulgados nesta quinta (18), os dados foram compilados por meio do programa Prodes, ligado

ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O levantamento destaca que é o maior índice já registrado na região desde 2006.

Foram desmatados, ao todo, 13.235 km². Os pesquisadores identificaram aumento de 52,9% na área total desmatada durante os três primeiros anos da gestão Bolsonaro, com média de 11.405 km² entre 2019 e 2021. Nos três anos anteriores, o sistema havia registrado média de 7.458 km².

“Fica evidente que as ações necessárias por parte do Brasil para conter o desmatamento e as mudanças climáticas não virão deste governo, que está estacionado no tempo e ainda vê a floresta e seus povos como empecilho ao desenvolvimento”, disse, em nota, a porta-voz da campanha da Amazônia do Greenpeace, Cristiane Mazzetti.

A entidade destaca também que os números do documento datam de 27 de outubro e, portanto, são anteriores à ida de representantes da gestão Bolsonaro para a Conferência do Clima de Glasgow (COP 26), na Escócia.

“Apesar das tentativas recentes do governo em limpar sua imagem, a realidade se impõe mais uma vez. Os mais de 13 mil km² não surpreendem quem acompanhou os últimos três anos de desmonte na gestão ambiental brasileira e as tentativas de enfraquecer o arcabouço legal para a proteção do meio ambiente”, critica Mazzetti.

Outras organizações também reagiram aos números, como é o caso do Observatório do Clima.

A entidade pontua que esta é a primeira vez em que o desmatamento aumenta por quatro anos seguidos desde 1988, quando tiveram início as medições do Inpe.

“O resultado é fruto de um esforço persistente, planejado e contínuo de destruição das políticas de proteção ambiental no regime de Jair Bolsonaro. É o triunfo de um projeto cruel que leva a maior floresta tropical do mundo a desaparecer diante dos nossos olhos e torna o Brasil de Bolsonaro uma ameaça climática global”, disse o secretário-executivo da entidade, Marcio Astrini.

O contexto de emergência climática que chama a atenção do mundo tem atualmente os olhos voltados para o Brasil.

A escalada do desmatamento registrada no último triênio tem deixado o país em maus lençóis por conta da devastação, que afeta acordos internacionais firmados pelo Estado brasileiro e compromete a imagem do país em determinadas tratativas do comércio globalizado.

“E essa situação só vai piorar, se o Senado aprovar o PL da Grilagem, que beneficia invasores de terras públicas e incentiva ainda mais desmatamento”, realça a porta-voz do Greenpeace, ao mencionar o controverso Projeto de Lei 2633/20, que tramita na Câmara dos Deputados.

A proposta é patrocinada pela bancada ruralista, tradicional opositora do movimento em defesa do meio ambiente.

Os dados divulgados na quinta pelo Inpe, por exemplo, foram mensurados em um intervalo em que 32% dos alertas de desmatamento estiveram relacionados às chamadas “florestas públicas não destinadas”, áreas pertencentes ao Estado brasileiro que ainda não receberam uma destinação específica e por isso se tornam foco frequente de grileiros de terras.

Cristiane Sampaio

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS