Tempo - Tutiempo.net

Jovem destrói o fígado após usar ivermectina para tratamento contra Covid-19

Ivermectina destrói o fígado e provoca transplante

O médico pneumologista e presidente da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT), Frederico Fernandes, revelou em seu perfil no Twitter o caso de uma paciente que contraiu hepatite medicamentosa devido ao uso de ivermectina no tratamento contra a Covid-19.

“Me solicitaram uma avaliação para uma paciente com hepatite medicamentosa. Ganha um troféu quem adivinhar qual medicação foi a culpada”, diz uma das mensagem de Fernandes.

“Pois é… Hepatite medicamentosa por ivermectina. 18 mg por dia por uma semana. Por covid leve em jovem”, completa o pneumologista em outra mensagem.

De acordo com o médico, a jovem “está a um passo de precisar de um transplante de fígado” por usar ivermectina.

“Muito triste ver uma pessoa jovem a ponto de precisar de transplante por usar uma medicação que não funciona em uma situação que não precisa de remédio algum”, assinalou o médico na rede social.

 A ivermectina é um vermífugo, eficaz contra parasitas, como piolhos, mas não tem resultado contra a Covid-19, como atestou o próprio laboratório que o criou, Merck.

Em comunicado distribuído a empresa informa não haver evidência de que o produto funcione contra a infecção causada pelo novo coronavírus.

No documento, a Merck, que deteve a patente da ivermectina até 1996, disse que não há base científica para um potencial efeito terapêutico potencial contra a Covid-19 em estudos pré-clínicos já publicados.

A empresa acrescentou também que não há evidência significativa de eficácia clínica em pacientes com a doença.

O laboratório ainda destacou que há uma preocupante ausência de dados sobre segurança da substância no contexto da Covid-19 na maior parte dos estudos.

“Não acreditamos que os dados disponíveis sustentem a segurança e a eficácia da ivermectina além das doses e dos grupos indicados nas informações de prescrição aprovadas por agências regulatórias”.

 Ao longo da pandemia ganhou força no Brasil a informação sem base científica de que o medicamento seria eficaz contra a Covid-19.

Um dos grande impulsionadores do uso da substância foi o presidente Jair Bolsonaro.

Ele chegou a anunciar que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) facilitaria o acesso ao medicamento para uso contra a Covid-19 ao não cobrar mais retenção de receita.

Mas a Anvisa contestou essas informações, sustentando que não existiam estudos conclusivos sobre o uso do medicamento no contexto da Covid-19.

“As indicações aprovadas para a ivermectina são aquelas constantes da bula do medicamento”, reforçou a Agência.

A droga também foi incluída no ‘kit covid’ do Ministério da Saúde, indicado como tratamento precoce contra a doença.

No kit estão inclusos ainda hidroxicloroquina, azitromicina, nitazoxanida, além de vitaminas C, D e zinco.

Medida sem amparo da comunidade científica internacional, das autoridades sanitárias e de órgãos internacionais, como a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Apesar disso, um levantamento do Conselho Federal de Farmácia, divulgado pelo G1, mostrou que a venda desses remédios disparou em 2020 – a hidroxicloroquina saltou 113% e a ivermectina, 557%.

Medicamentos sem eficácia contra a Covid se tornam problema extra durante a pandemia.

Mais da metade dos médicos brasileiros reconhece a ineficácia da ivermectina e da cloroquina no tratamento contra a Covid-19, segundo uma pesquisa realizada pela Associação Médica Brasileira (AMB) e pela Associação Paulista de Medicina (APM), revelou o Jornal Nacional.

Estudo feito pela AMB e pela APM mostra que 65,3% dos médicos avaliam a cloroquina como ineficaz para o tratamento e 58,6% afirmam que a ivermectina não tem nenhum efeito.

“Essas drogas, esses tratamentos não mostraram que possam alterar o curso da doença, tampouco o desfecho final mais temido, a morte por agravamento da doença.

Ademais, essas medicações têm efeitos colaterais”, afirmou ao JN o presidente da AMB, Cesar Eduardo Fernandes.

Além de não trazer benefícios, medicamentos como ivermectina e cloroquina são potencialmente perigosos no tratamento contra Covid-19.

O diretor do complexo hospitalar Clementino Fraga, referência no combate à Covid na Paraíba, Fernando Chagas, relatou ao JN o caso de um paciente que apresentou arritmia cardíaca enquanto tomava cloroquina e ivermectina associados, na fase inicial da doença.

“Nos deparamos com alargamento do intervalo QT. Esse intervalo do QT alargado evidencia, para gente, uma demora maior que o coração sofre para recarregar entre uma batida e outra. É um tipo de arritmia que pode ser perigosa. Então, diante de uma situação dessas, a gente tem que suspender de imediato as medicações”, afirmou Chagas ao telejornal.

O professor de emergências clínicas da USP Luciano Cesar Azevedo contou ao JN que tem sido comum pacientes chegarem aos hospitais com complicações pelo abuso dessas medicações.

“O risco é de interações medicamentosas significativas. Você tem uma medicação que potencializa o efeito da outra e a gente tem visto paciente que tem tido efeitos adversos, tipo dor de cabeça, diarreia, alterações hepáticas”, frisou.

Em nota conjunta, a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e a AMB afirmam que as melhores evidências científicas demonstram que nenhuma medicação tem eficácia na prevenção ou no tratamento precoce para a Covid-19 até o presente momento.

“É compreensível que, no início, fossem adotados medicamentos sem benefício comprovado. Afinal, muitos pacientes estavam morrendo.

Entretanto, há meses, temos dados suficientes para abandonar o uso dessas medicações, por provas contundentes de que não ajudam no tratamento e também podem estar implicadas em riscos adicionais não desprezíveis”, salientou o médico infectologista e professor da USP Esper Kallás em recente artigo publicado na Folha.

Agência ICTQ

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS