Sorocaba prioriza ‘kit-covid’ e vê número de mortos dobrar

A prefeitura de Sorocaba divulgou nesta quarta-feira 14 um estudo realizado pela gestão do prefeito Rodrigo Manga (Republicanos) para justificar o uso do chamado ‘kit Covid’, que utiliza medicamentos sem eficácia comprovada contra a Covid-19.

O estudo, no entanto, não utiliza metodologia científica para provar a tese defendida.

De acordo com uma nota da Secretaria de Saúde do município, o estudo preliminar teria apontado 99% de eficácia do tratamento precoce contra a Covid-19.

Para chegar a este resultado, a pasta acompanhou, por telefone, 123 pacientes que utilizaram os medicamentos. Apenas um morreu, informaram, os demais se recuperaram.

 “O estudo apresentou uma taxa de letalidade de 0,81% entre os pacientes monitorados. Atualmente, o índice de letalidade é de 2,7% na cidade de Sorocaba, abaixo da taxa estadual, que é de 3,2%. Até o momento, 1.113 pacientes optaram pelo tratamento precoce na cidade”, diz a nota.

A farsa do estudo que diz que ivermectina reduz risco de morte em 75%.

Pacientes estão na fila de transplante de fígado após tomarem ‘kit covid’.

Médicos alertam que uso de Ivermectina está comprometendo fígado de pacientes

A prefeitura diz ter questionado os participantes sobre a idade e comorbidades – informações são essenciais em um levantamento como este – mas não divulgou mais detalhes.

 Procurada, a Prefeitura de Sorocaba não divulgou informações sobre os participantes do estudo, mas afirmou que “foi monitorada pela Secretaria da Saúde amostra de 123 pacientes, de diferentes características, gêneros e idades, que tiveram receitados os medicamentos que compõem o tratamento precoce.”

Propaganda política

Questionada sobre a efetividade de um estudo como o de Sorocaba, a infectologista da Unicamp e consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia, Raquel Stucchi, afirmou que os resultados não dizem nada, e servem apenas como propaganda política.

“Se tivessem tomado chá de hortelã, também teriam a mesma evolução. Isso porque 85% dos casos de Covid tem esta evolução, sem agravamento”, explica a infectologista.

Segundo ela, um estudo sério recolheria dados randomizados – ou seja, os pacientes utilizados em cada grupo do experimento são escolhidos de forma aleatória.

Todos os estudos randomizamos feitos pelo mundo tem mostrado que os medicamentos defendidos como ‘tratamento precoce’ contra a Covid-19 não funcionam.

A própria fabricante da ivermectina, um dos remédios defendidos, afirmou que o medicamento não é eficaz contra a doença.

Medicamentos estão causando mortes no Brasil

As notificações por efeitos adversos decorrentes do uso de medicamentos do “kit Covid”, como hidroxicloroquina, dispararam em 2020 na comparação com o ano anterior. Segundo um levantamento do jornal O Globo, ao menos dez mortes do tipo foram notificadas, todas após março deste ano.

 O destino trágico da cidade que distribuiu cloroquina e ivermectina de graça
Cidades que distribuíram “kit covid” tiveram taxa de mortalidade mais alta

A pesquisa foi feita com base no Painel de Notificações de Farmacovigilância mantido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Por contas destes riscos, parlamentares do PSOL, PT e PDT entraram com uma ação no Ministério Público de São Paulo contra a Prefeitura de Sorocaba e seu prefeito pelo uso dos medicamentos.

Para os acusadores, a decisão da prefeitura de Sorocaba afronta a ciência, a posição cientifica de organismos internacionais de saúde e a sociedades médicas brasileiras, pois todos já anunciaram que os medicamentos não são eficazes contra os sintomas.

“Há informações oficiais que o processo de cobertura vacinal contra a Covid em Sorocaba está em descompasso significativo.

Sabe-se que a vacina é a única possibilidade com alta probabilidade de eficácia comprovada pela ciência contra a Covid-19, não havendo até o momento método farmacológico comprovado para tratar precocemente doentes de Covid-19”, dizem os parlamentares.

Números crescem em Sorocaba

Em 1º de janeiro de 2021, Sorocaba havia registrado 566 mortes causadas pela covid-19.

Anteontem, o índice saltou para 1.377, um aumento de 143%. O protocolo com tratamento precoce foi adotado pela prefeitura, segundo comunicou o órgão, em 19 de março.

A média de mortes em decorrência da doença não para de crescer desde fevereiro. Se antes era de 4 óbitos por dia em média, em abril já são 20.

Os óbitos de abril (263) já correspondem a 74% dos óbitos de março (357). O mesmo cenário acontece em relação aos novos casos, que atualmente (6.046) correspondem a 75% de todo o mês de março (8.043).

 Os dados foram levantados a pedido do Uol pela plataforma Infotracker, da USP (Universidade de São Paulo) e da Unesp (Universidade Estadual Paulista). O instituto utiliza os números divulgados pelo próprio governo estadual de São Paulo.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS