Carlos Lima
Hoje dia 22/09/2018 às 01:45:22

Cinema
Carlos Lima | Publicado em 28/11/2016 às 15:26:08

“ELIS” É FASCINAÇÃO

“ELIS” É FASCINAÇÃO Andreia Horta no papel de Elis Regina

Fazer cinebiografia não é fácil. Envolve centenas de desafios, desde os mais técnicos, como reconstituição de época, até os mais intangíveis, como a presença do cine biografado no imaginário de cada um.

Quando o personagem escolhido é de grande apelo popular, e viveu numa época relativamente recente, tais desafios parece que se potencializam: todo mundo quer dar palpite na obra pronta, todos se transformam em críticos, todos reclamam de uma coisa ou outra que o filme teve ou que deixou de ter, sem parar para pensar que cinema, acima de tudo, é síntese; é simplificação.

Assim, a cinebiografia “Elis” torna-se ainda mais merecedora de todos os elogios que virão: ela supera seus desafios intrínsecos com louvor e se caracteriza firmemente como uma preciosidade.

Roteiro, a fotografia de Adrian Tejido, dramaturgia, ritmo, trilha sonora, reconstituição de época e – principalmente – a escolha da atriz Andreia Horta para o papel título, tudo funciona bem no filme de Hugo Prata, estreante em longas.

A opção é pelo tradicional.

O roteiro – escrito a dez mãos por Luiz Bolognesi, Nelson Motta, Patrícia Andrade, Vera Egito e Hugo Prata – opta pela narrativa clássica e cronológica tão cara às convencionais cinebiografias norte-americanas que tanto já nos acostumamos a ver.

De “Música e Lágrimas” a “À Noite Sonhamos”; de “Ray” a “Jersey Boys”, isso só para ficar no universo dos cine biografados musicais.

Trata-se de um estilo que pode desagradar os apreciadores de um cinema mais ousado, mas que certamente fala mais de perto ao grande público.

Esta falta de ousadia não chega a se configurar em problema para “Elis”, que acaba se alicerçando firmemente na figura da protagonista, que esbanja força e vitalidade suficientes para segurar todo o filme.

Com direito a gostinho de quero mais, mesmo porque o imenso repertório que a cantora legou seria suficiente para uma baciada de longas.

Ainda que apoiando-se na segurança da narrativa episódica, “Elis” tem, no mínimo, dois grandes méritos. O primeiro e o mais evidente é a maneira como Andreia Horta (de “Muita Calma nesta Hora” 1 e 2) interpretou a personagem título.

Aliás, “interpretou” talvez não seja a palavra mais apropriada: Elis “reencarnou” em Andreia. Gestos, risos, postura de corpo e até o timbre de voz da cantora ao falar são reproduzidos na tela com um realismo impressionante que chega a estarrecer quem teve a sorte de viver nos anos em que a “Pimentinha” era presença constante na mídia.

O segundo mérito é a força de um roteiro que conseguiu escapar de um erro dos mais recorrentes de muitas cinebiografias: o de endeusar o cine biografado, de colocá-lo num pedestal quase religioso, descolando-o das realidades de sua época e vesti-lo com um manto sagrado.

Aqui, vemos uma Elis humana, que vive, sonha e sofre com suas hesitações, assim como todos nós. Uma pessoa comum com uma voz incomum que é ao mesmo tempo sua bênção e sua maldição.

A maneira como o roteiro trata a questão das pressões que Elis sofreu dos militares, como ela lidou com isso, seus medos, as retaliações, e o consequente relacionamento com o cartunista Henfil, desembocando no clássico “O Bêbado e o Equilibrista”, é o ponto alto do filme.

Tudo muito humano, crível, sem simplificações maniqueístas e de uma dignidade ímpar.

E um destaque final digno de aplausos.

“Elis” consegue ser um filme ao mesmo tempo histórico, emotivo e importante, sem recorrer a duas das mais aborrecidas ferramentas cinematográficas aos quais muitas vezes as cinebiografias se rendem: a insuportável narração em off – vírus mortal que tem se alastrado epidemicamente pelo cinema brasileiro –, e os infantis letreiros que fazem questão de escrever, na tela, o ano e o local onde as coisas acontecem. Que alívio!

Hugo Prata faz aqui uma estreia de ouro. O trocadilho é péssimo, mas o filme é ótimo. (RC)

Comentários

comentários

Veja também