Carlos Lima
Hoje dia 10/12/2018 às 17:03:25

Curiosidades
Carlos Lima | Publicado em 08/09/2018 às 10:55:40

A facada em Bolsonaro e as tentativas de assassinar Hitler: não são apenas coincidências

A facada em Bolsonaro e as tentativas de assassinar Hitler: não são apenas coincidências B

O primeiro atentado à vida de Hitler aconteceu quase 20 anos antes do início da Segunda Guerra Mundial. Em novembro de 1921, o jovem e radical ainda desconhecido fez um discurso na famosa cervejaria Hofbräuhaus de Munique.

Além de membros do recém-formado Partido Nazista, na multidão também estavam dezenas de social democratas, comunistas e outros opositores políticos. A retórica inflamada de Hitler logo os deixou em frenesi.

Uma briga de bêbados eclodiu e, enquanto voavam punhos, canecas e cadeiras, um grupo de assaltantes desconhecidos sacou pistolas e atirou várias vezes na direção do pódio do orador.

Hitler não se machucou e continuou a discursar por mais 20 minutos até que a polícia chegou. O encontro do futuro ditador com a morte apenas aumentou o seu fervor pela causa nazista.

Dois anos depois, a vizinha Bürgerbräukeller seria o local do famoso “Putsch da Cervejaria”, um golpe fracassado que o tornou famoso em todo o país e lhe valeu uma sentença de vários anos na prisão.

2) 1938: O Plano de Maurice Bavaud

No final de 1938, um estudante de teologia suíço chamado Maurice Bavaud comprou uma arma e começou a perseguir Hitler pela Alemanha.

Bavaud estava convencido de que o “Führer” era uma ameaça à Igreja Católica, uma “encarnação de satã” e que era seu dever espiritual matá-lo.

Ele, finalmente, teve sua chance em 9 de novembro de 1938, quando Hitler e outros líderes nazistas marcharam por Berlim para comemorar o aniversário do “Putsch da Cervejaria”.

Bavaud se sentou na arquibancada e esperou até que Hitler se aproximasse. Ele estava com sua arma enfiada no bolso, mas, antes que ele conseguisse sacá-la, a plateia delirante levantou os braços em uma saudação nazista e bloqueou sua visão.

Contra sua vontade, Bavaud desistiu de sua caça e foi preso posteriormente enquanto viaja como clandestino em um trem para fora da Alemanha.

Quando a Gestapo encontrou sua arma e seu mapa, ele confessou, sob interrogatório, que tinha um plano para matar Hitler. Em maio de 1941, ele foi executado na guilhotina na prisão Plötzensee de Berlim.

3) 1939: A Bomba de Georg Elser na Cervejaria

Georg Elser era um carpinteiro alemão batalhador e comunista, ferozmente contrário ao Nazismo.

Ele previu que o regime de Hitler iria levar seu país à guerra e à ruína financeira e, no final de 1938, decidiu fazer algo a respeito.

Sabendo que Hitler discursaria na cervejaria Bürgerbräukeller de Munique no aniversário do “Putsch da Cervejaria”, Elser passou vários meses construindo uma bomba com um timer de 144 horas.

Quanto ela ficou pronta, Elser foi para Munique e começou a entrar furtivamente na Bürgerbräukeller todas as noites para achar uma cavidade em uma coluna de pedra debaixo da plataforma do alto-falante.

Após várias semanas de trabalho clandestino e meticuloso, Elser conseguiu instalar com sucesso sua bomba. Ele a programou para explodir em 8 de novembro de 1939, às 21h20m – aproximadamente no meio do discurso de Hitler.

Elser planejou o seu atentado com perfeição, porém a sorte não estava do seu lado.

A Segunda Guerra Mundial havia começado em definitivo alguns meses antes e Hitler mudou o horário do discurso para as 20h, de modo que pudesse estar de volta a Berlim o mais rápido possível.

O Führer fez sua última observação às 21h07m e às 21h12m já havia deixado o local.

Apenas oito minutos depois, a bomba de Elser explodiu, destruindo a coluna e fazendo com que uma parte do teto caísse no pódio do orador.

Oito pessoas morreram e dezenas ficaram feridas, mas Hitler não foi uma delas.

Elser foi capturado naquela mesma noite enquanto tentava fugir pela fronteira suíça e  acabou confessando o crime depois que as autoridades encontraram seus planos de bomba.

Elser passaria os próximos anos confinado nos campos de concentração nazistas. Em abril de 1945, com o Terceiro Reich desmoronando, ele foi arrastado de sua cela e executado pelo SS.

4) 1943: A Bomba de Conhaque de Henning von Tresckow

Um dos planos mais audaciosos ocorreu em 13 de março de 1943, quando Hitler chegou ao posto de Henning von Tresckow em Smolensk – um oficial militar alemão desiludido – para uma breve visita. Antes de o Führer e sua comitiva embarcarem no avião para a viagem de volta, Tresckow abordou um membro da equipe de Hitler e perguntou se o homem levaria um embrulho contendo duas garrafas de conhaque para um amigo em Berlim.

O oficial aceitou, não sabendo que o pacote, na verdade, continha explosivos plásticos programados para explodir em 30 minutos.

Tresckow e seu co-conspirador Fabian von Schlabrendorff esperavam que a morte de Hitler fosse um incentivo para um golpe contra o alto escalão nazista, mas o plano deles virou fumaça algumas horas depois, quando souberam que o avião do Führer tinha pousado com segurança em Berlim.

“Nós ficamos surpresos e não conseguíamos imaginar o motivo do fracasso”, Schlabrendorff lembrou posteriormente. “Ainda pior seria a descoberta da bomba, o que levaria definitivamente à nossa detenção e à morte de um grande círculo de colaboradores”.

Em pânico, Tresckow ligou para o oficial e disse que teria havido um engano com o pacote.

No dia seguinte, Schlabrendorff viajou ao quartel de Hitler e trocou a bomba oculta por duas garrafas de conhaque. Após a análise, ele descobriu que um fusível com defeito foi o que impediu o avião de Hitler explodir nos céus.

5) 1943: A Missão Suicida de Rudolf von Gertsdorff

Apenas uma semana após o fracasso da bomba de conhaque de Tresckow, ele e seus co-conspiradores fizeram outro atentado contra a vida de Hitler.

Dessa vez, o cenário foi uma exposição de bandeiras e armamentos soviéticos capturados em Berlim, a qual o Führer tinha programado para visitar.

Um oficial chamado Rudolf von Gertsdorff se ofereceu para ser o disparador de um ataque de bomba, mas, depois de explorar as instalações, ele chegou a uma triste conclusão: a segurança era muito forte para plantar explosivos no recinto.

“Naquele ponto, ficou claro para mim que um ataque só era possível se eu tivesse que carregar os explosivos em mim”, ele escreveu, posteriormente, “e me explodir o mais perto possível de Hitler”.

Gersforff decidiu seguir em frente e, em 21 de março de 21, fez o melhor possível para ficar grudado no Führer enquanto o guiava pela exposição.

A bomba tinha uma programação curta de 10 minutos, mas, apesar das tentativas de Gersdorff em prolongar a visita, Hitler saiu por uma porta lateral apenas alguns minutos depois.

O quase suicida foi obrigado a correr desesperadamente ao banheiro, onde desativou os explosivos com apenas alguns segundos de sobra.

6) 1944: O Plano de Julho

Logo após o Dia D das invasões, no verão de 1944, um grupo de oficiais alemães descontentes lançou uma campanha para assassinar Hitler no seu posto de comando Wolfsschanze (Toca do Lobo, em português) na Prússia.

O cabeça do plano era Claus von Stauffenberg, um coronel que havia perdido um olho e uma de suas mãos em um combate no norte da África.

Ele e seus co-conspiradores – que incluíam Tresckow, Friedrich Olbricht e Ludwig Beck – planejaram assassinar o Führer com uma bomba escondida e, depois, utilizar a Reserva do Exército alemão para derrubar o alto escalão nazista.

Se seu golpe fosse bem-sucedido, os rebeldes iriam procurar negociar, imediatamente, a paz com os Aliados.

Stauffenberg colocou o plano em ação em 20 de julho de 1944, depois que ele e vários oficiais nazistas foram convocados para uma conferência com Hitler em Wolfsschanze.

Ele chegou com uma pasta repleta de explosivos plásticos conectados a um fusível ácido.

Após colocar sua pasta o mais perto possível de Hitler, Stauffenberg deixou o local com o pretexto de fazer um telefonema.

Sua bomba detonou apenas alguns minutos depois, explodindo uma mesa de madeira e reduzindo grande parte da sala a escombros carbonizados.

Quatro homens morreram, mas Hitler escapou sem ferimentos que colocassem sua vida em risco – um oficial havia colocado a pasta de Stauffenberg debaixo de umas das pernas de uma mesa apenas alguns segundos antes da explosão.

A reviravolta do plano foi descoberta depois que notícias da sobrevivência do Führer chegaram à capital.

Stauffenberg e os outros conspiradores foram, então, presos e executados, assim como centenas de dissidentes.

Supostamente, Hitler teria se gabado de ser “imortal” depois que o Plano de Julho falhou, mas ele se tornou cada vez mais recluso nos meses seguintes e raramente foi visto em público até seu suicídio, em 30 de abril de 1945.

Comentários

comentários

Veja também