Carlos Lima
Hoje dia 15/12/2017 às 00:56:23

Religião
Carlos Lima | Publicado em 24/11/2017 às 15:42:58

Ao menos 235 mortos no pior atentado na história do Egito

Ao menos 235 mortos no pior atentado na história do Egito Mortos na mesquita Arish após o atentado EFE

Terroristas atacaram, nesta sexta-feira, dia consagrado à oração no Islã, uma mesquita lotada de fiéis em Bir al Abed, a oeste da cidade de El Arish, epicentro do ramo egípcio do Estado Islâmico no norte do Sinai. A imprensa do Cairo informa que pelo menos 235 pessoas morreram e outras 120 ficaram feridas no atentado contra o templo muçulmano de Al Rawda, segundo fontes do setor de segurança e do Ministério da Saúde do Egito. Trata-se de uma das ações terroristas mais sangrentas já registradas no país.

Testemunhas do ataque citadas pela edição digital do jornal Al Ahram afirmam que os terroristas explodiram uma bomba na mesquita, da vertente moderada sufi, enquanto vários homens armados abriram fogo indiscriminadamente contra os fiéis que fugiam após a explosão. Em meio a uma grande mobilização de forças de segurança, as equipes de emergência levaram os sobreviventes em ambulâncias a hospitais da região.

Desde que o Exército derrubou o presidente Mohamed Morsi em julho de 2013, ligado à Irmandade Muçulmana, o Sinai se transformou no principal foco de violência no Egito. Os milicianos da Província do Sinai, a filial local do EI, multiplicaram os atentados contra militares e policiais e os ataques contra civis para semear o terror na região, que ficou semidesmilitarizada após a saída das tropas de Israel, que pôs fim à invasão da Península entre 1967 e os acordos de paz de 1979.

Os jihadistas da região juraram lealdade ao Estado Islâmico no final de 2014 e estabeleceram a chamada Província do Sinai do Califado na península que faz divisa com Israel e Gaza, e com o Canal de Suez. O presidente do país, Abdel Fattah al-Sisi, reunirá na sexta-feira o comitê de segurança nacional para lidar com a situação, informou o canal de televisão privado Extra News TV, como apurou a rede britânica BBC.

Os turistas no Cairo e no Vale do Nilo e a comunidade cristã copta foram alvo de ataques terroristas. Há dois anos, um avião russo com 224 ocupantes a bordo caiu no Sinai devido a uma explosão logo após decolar da cidade turística de Sharm el Sheij, às margens do mar Vermelho. Não houve sobreviventes

JUAN CARLOS SANZ

Comentários

comentários

Veja também