Carlos Lima
Hoje dia 20/10/2019 às 09:03:55

Sergio Jones
Sérgio Jones | Publicado em 10/10/2019 às 14:48:53

Briga por fundo partidário faz com que os ratos abandonem o navio/ Por Sérgio Jones*

Briga por fundo partidário faz com que os ratos abandonem o navio/ Por Sérgio Jones* FUNDO PARTIDÁRIO

Diferentemente do que vem sendo propagado por alguns setores da mídia, a crise entre o ocupante do Planalto e Bivar veio a público quando Bolsonaro afirmou que o deputado pernambucano está “queimado pra caramba”.

Na realidade têm uma outra conotação na qual, eles não querem deixar transparecer para a população.

A desconstrução do companheiro de partido, feita pelo desequilibrado presidente, têm outro objetivo, menos nobre. A questão é mais profunda e de cunho financeiro.

Os milicianos estão brigando pela divisão do milionário espólio que deve ser realizada com a generosa oferta do fundo partidário.

O contraditório prova que a questão dos atritos tem outra origem, basta atentarmos para o fato de que em janeiro de 2018, quando foi anunciada a filiação de Bolsonaro, Bivar disse que o recebia “com muito orgulho”.

Bolsonaro afirmou sentir “muita honra” e estar “muito à vontade” ao entrar para as fileiras de “um partido onde existe total comunhão de pensamentos”.

Palavras ao vento, o que fica exposto, em todos estes jogos de palavras vazias, é que a mesma não deixa de ser uma retórica, com profundo caráter demagógico.

Não podemos olvidar que o mesmo Bivar também minimizou a afinidade de Bolsonaro com o coronel torturador Carlos Alberto Brilhante Ustra.

“Não se deve rotular Bolsonaro por isso. Eu faço alguns elogios ao regime militar também”.

Toda essa patranha, articulada pelo Bolsonaro, é voltada para reverenciar o deus Mamom. A palavra é uma transliteração hebraica que significa “dinheiro”. O que deixa claro que a máxima que prevalece é: “por dinheiro fazemos qualquer negócio”.

Sérgio Jones, jornalista (sergiojones@live.com)

Comentários

comentários

Veja também