Carlos Lima
Hoje dia 24/09/2017 às 01:37:03

Esportes
Carlos Lima | Publicado em 14/09/2017 às 09:24:11

MP pede afastamento Eurico Miranda do Vasco por elo com organizada

MP pede afastamento Eurico Miranda do Vasco por elo com organizada Foto de arquivo

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro pediu o afastamento de Eurico Miranda da presidência do Vasco da Gama. Ele é acusado pelos promotores de acobertar torcidas organizadas que promovem a violência nos estádios. Na ação civil pública, os promotores afirmam que o Vasco da Gama descumpre artigos do Estatuto do Torcedor, sobre a prevenção da violência nos esportes.

O Ministério Público Estadual pede a destituição definitiva do presidente Eurico Miranda, dos vice-presidentes e da diretoria do Vasco, além de multa de R$ 500 mil. O MPRJ baseou-se em relatórios do Grupamento Especial de Estádios da PM, sobre a confusão no fim do jogo entre Flamengo e Vasco, no dia 8 de julho, em São Januário.

Inconformados com a derrota, torcedores vascaínos jogaram bombas e objetos nos jogadores do flamengo e nos policiais militares e ainda tentaram invadir o gramado. A polícia reagiu, jogando gás de pimenta, mas isso acabou afetando também os torcedores que não estavam envolvidos no tumulto, principalmente aqueles que estavam com filhos e mulheres.

Alguns torcedores deles tiveram que escalar as cabines da imprensa para escapar da selvageria. O conflito continuou do lado de fora do estádio e acabou em tragédia, com a morte do torcedor David Rocha Lopes, baleado no peito.

Na época, o presidente do Vasco, Eurico Miranda, disse que a confusão foi provocada por grupos de oposição política à atual diretoria. O estádio de São Januário foi interditado por seis meses, mas o clube conseguiu, na Justiça, a liberação e jogou sem torcida contra o Grêmio, no último dia 9.

Segundo o Ministério Público, a insegurança durante jogos é estimulada pela prática do clube em apoiar e incentivar a torcida organizada força jovem, atualmente punida com ordem de afastamento de qualquer arena esportiva por conta de episódios de violência.

Segundo o documento, a contratação pelo clube de integrantes da Força Jovem compromete a ação da polícia na segurança dos estádios, facilitando a entrada de instrumentos e objetos que jamais passariam por revistas. Como exemplos, o MP cita Sidnei da Silva Andrade, o Tindô, que foi contratado como segurança particular. Fotos anexadas ao processo mostram Tindô trabalhando em São Januário com colete e crachá. Mesma função de Rodrigo Granja dos Santos, o Batata, também da força jovem vascaína e contratado pelo clube.

Os promotores apontam ainda, como fatos graves, a inauguração de um camarote, em São Januário, para a torcida Força Jovem, exatamente no dia do jogo contra o Flamengo e a foto de Eurico Miranda com integrantes da Força Jovem, incluindo o atual presidente da organizada, Sávio Agra Sássi.

A eleição para a escolha de Sávio foi realizada em março deste ano, no ginásio do Vasco da Gama. Isso mostraria a estreita relação entre a diretoria do clube e a principal torcida organizada do Vasco.

O documento do MPRJ afirma que a violência nos estádios de futebol não é novidade e que vem sendo acompanhada de perto pelos órgãos de defesa dos torcedores e que vai continuar combatendo os maus torcedores e os clubes que desrespeitam a lei e descuidam da segurança durante os jogos de futebol.

Eurico Miranda respondeu, por meio da assessoria do Vasco, que a denúncia é absurda e que vai prestar os esclarecimentos em juízo. Afirmou ainda que ela tem motivação pessoal e política. A Torcida da Força Jovem disse que não tem vínculo com o clube, nem camarote no estádio.

G1

Comentários

comentários

Veja também