Carlos Lima
Hoje dia 19/09/2018 às 04:43:12

Estadual
Carlos Lima | Publicado em 18/06/2018 às 10:35:54

Na Bahia, Rui Costa enfrentará temas espinhosos na campanha

Na Bahia, Rui Costa enfrentará temas espinhosos na campanha

Elogiado pela gestão fiscal, que fechou o primeiro quadrimestre de 2018 com superávit primário de R$ 663,7 milhões, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), será confrontado durante a campanha à reeleição com números espinhosos de sua administração. Os altos índices de assassinatos, a terceirização da gestão da saúde para organizações sociais, a ausência de concursos públicos para médicos e de reajuste linear para os servidores deverão aparecer no discurso dos opositores na disputa ao Palácio de Ondina.

 

Principal pré-candidato de oposição, o ex-prefeito de Feira de Santana José Ronaldo (DEM) deve apostar nas críticas ao aumento da violência nos governos petistas. “São números extraordinários negativamente. Não podemos permitir a continuidade desse sofrimento”, afirmou. Já o ex-ministro da Integração Nacional e pré-candidato do MDB, João Santana, deve focar na economia do Estado. Ele critica a atual gestão por não investir em setores como o agronegócio. “Não dá para não mostrar o que deixou de ser feito.”

 

A taxa de desemprego na Bahia, que é administrada pelo PT desde 2007, é de 17,9%, acima da média nacional de 12,9%. Dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostram que, com 7.110 homicídios em 2016, o Estado tem o maior índice de assassinatos no País, em números absolutos. De acordo com o Atlas da Violência 2018, entre os dez municípios mais violentos do Brasil, quatro estão na Bahia: Eunápolis, Simões Filho, Porto Seguro e Camaçari, na região metropolitana de Salvador. Na área da Educação, o Estado amarga uma taxa de analfabetismo de 12,7% – seis vezes maior que a de São Paulo. Os educadores estão há três anos sem reajuste salarial.

 

Procurada, a Secretaria de Segurança Pública questionou a metodologia utilizada pelo Fórum, como falta de padronização no registro de mortes violentas. A pasta discorda de acrescentar na contagem criminosos mortos em confronto com as forças de segurança. “Um policial atacado tem, por lei, o direito e o dever de reagir proporcionalmente”, afirmou a secretaria, em nota.

 

A Secretaria Estadual de Educação afirmou que capacitou mais de 24 mil professores em cursos que ensinam o uso pedagógico de tecnologias educacionais e realizou concurso público para contratação de 3.760 profissionais, entre eles, 664 coordenadores pedagógicos.

 

Sobre a falta de reajuste linear para os servidores baianos, o governo afirmou que a gestão Rui Costa adotou uma política de controle de gastos públicos para conseguir honrar o pagamento dos salários de servidores e manter a saúde fiscal estadual em equilíbrio, e que fez reposições inflacionárias

Estadão

Comentários

comentários

Veja também