Carlos Lima
Hoje dia 22/01/2019 às 06:19:51

Feira
Carlos Lima | Publicado em 13/12/2018 às 16:26:58

Vereadores entram em férias pela segunda vez em 2018

Vereadores entram em férias pela segunda vez em 2018 Esperamos que o vereador volte a cair na tentação e tome banho com amigos na hidromassagem

Os representantes eleitos pelo povo na Câmara Municipal de Feira de Santana gozam de vantagens que os mantém apartado da realidade do trabalhador brasileiro.

A começar pelos salários e se estende pelo uso dos recessos, que significam férias privilegiadas, entre outras vantagens que fere o princípio da plausibilidade.

Após o recesso parlamentar do mês de junho. Ontem, quarta feira (12), aconteceu à última sessão do ano de 2018.

Mais uma vez estarão usufruindo de descanso e repouso prolongado e remunerado. Retornando as atividades parlamentares em primeiro de fevereiro de 2019.

Indaga-se: o que justifica esse distanciamento entre um politico, – na maioria das vezes desqualificados na representatividade, – da defesa dos interesses da população?

O que se percebe é que existe algo de podre nesse tipo de comportamento que nos faz lembrar remota à época do coronelismo.

Onde o grande proprietário rural de comportamento despótico e patriarcal que, por força do consenso geral de um sistema de obrigações e favores, assumindo em sua pessoa atribuições de caráter privativo; público e poder de vida e morte sobre um povo.

Deixa de ser imperativa a defesa da população, em primeiro lugar está a defesa dos interesses pessoais.

Os vereadores por desconhecerem a realidade sobre a qual deveriam legislar são verdadeiros bufões da corte.

Exemplo:

Transporte público que jamais utilizam no seu dia a dia, e ainda defendem os interesses empresariais.

Saúde: Fazem do sistema um trampolim político e não se voltam para as dificuldades existentes do setor, do qual também não se utilizam.

Educação: Seus filhos jamais estudam em escolas públicas, negociam com a rede privada de ensino em detrimento da luta pela melhoria da qualidade do ensino público.

Segurança: A segurança pública é um segmento diferenciado, a que lhes são ofertada, não são as mesmas recebidas pela população.

Fica uma pergunta que não quer calar:

Como podem defender seguimentos sociais dos quais não possuem o mínimo conhecimento?

Seria o mesmo que legislar sobre armamento nuclear ou a existência do homem em Marte.

Sabem perfeitamente que ambos os casos lhes são totalmente estranhos.

Esse modelo político é injusto e desigual, se mostra incompetente, inoperante e distante dos reais interesses da população. Privilegia poucos e penaliza muitos.

Sem dúvida é uma função que coloca em cheque a República, que tem como premissa combater a desigualdade social e professa que todos são iguais diante da Lei.

Mas quem provoca essas distorções sociais são, em grande parte, políticos que legislam em causa própria, mantendo-se distantes das carência e interesses do povo e da nação.

Carlos Lima

Comentários

comentários

Veja também