Lula: Brasil tem que agir como construtor da paz, não se meter em confusão

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
LULA ENTREVISTADO PELO DCM

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva concede entrevista na manhã desta quarta-feira (8) ao portal Diário do Centro do Mundo (DCM) e comenta o conflito entre Estados Unidos e Irã e o posicionamento do governo brasileiro, de Jair Bolsonaro, em defesa do atentado cometido por Donald Trump, que matou o general iraniano Qassem Soleimani.

Lula resgatou o papel do Brasil como articulador da paz no mundo, lembrou a intermediação feita por seu governo para o acordo nuclear com o Irã e afirmou que o Brasil historicamente sempre foi um país que buscou a paz.

“Não tem que se meter em confusão com briga externa”, ressaltou.

“O Brasil sempre manteve uma política diplomática coerente e corajosa, um construtor de harmonia”, diz ele, referindo-se às últimas ações inconsequentes do Itamaraty, que em nota, defendeu os EUA com “apoio à luta contra o flagelo do terrorismo”.

O Irã cobrou explicações do Brasil sobre esse posicionamento.

Sobre as motivações de Trump, ele avalia que a potência estadunidense historicamente sempre precisou “arrumar um inimigo” e considera que o ataque ao Irã “está cheirando a campanha eleitoral”.

“Trump sabe que não está fácil uma reeleição com a quantidade de coisas que ele faz e fala, por isso o discurso ‘América para os americanos’, essa coisa bem bairrista, funciona”, disse.

“Ele pode perder as eleições, e sempre uma guerra ajuda muito”, completou.

Lula mandou um recado direto para o ocupante do Planalto: “Bolsonaro, o Brasil não precisa disso. Não precisa ser lambe-botas de ninguém. Precisa ser respeitado pela Bolívia e pelos Estados Unidos, pela China e pelo Uruguai, pelo Paraguai e pela Rússia. É assim que se constrói um país capaz de ser um agregador”.

DCM

OUTRAS NOTÍCIAS