Mulheres Indígenas conquistam espaço na produção de alimentos

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Melhorar a qualidade de vida de centenas de mulheres indígenas que vivem no Extremo Sul do Estado é o objetivo da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agricola (EBDA) vinculado à Secretaria de Agricultura, Pecuária, Irrigação, Reforma Agrária, Pesca e Aquicultura, através da Gerência Regional de Teixeira de Freitas.

Cursos sobre horticultura orgânica, culinária com produtos derivados da mandioca, doces, geleias, compotas, artesanatos feitos com penas, sementes, tecidos, materiais recicláveis e bijuterias são algumas das capacitações promovidas pela EBDA. Participam dos trabalhos, aproximadamente 100 mulheres dos municípios de Alcobaça, Prado e Itamarajú.

 

Também são realizados trabalhos na linha agroecológica, onde são demonstradas práticas de agricultura orgânica na produção de alimentos. Cursos para cultivo de hortas, oficina de compostagem orgânica, defensivos naturais e homeopatia são algumas das ações executadas pela EBDA com o foco ecológico sustentável.

Alface, cenoura, quiabo, plantas medicinais, couve, coentro, entre outras leguminosas, são cultivados pelas mulheres pataxós. O trabalho é realizado em família; todos se envolvem nas atividades, filhos, netos, sobrinhos e até mesmo os esposos, que apoiam as iniciativas.

Fonte: Redação / Ascom Seagri

OUTRAS NOTÍCIAS